5 de mar de 2018

Nova Hipótese Para a Origem da Lua

A origem da Lua, um dos temas mais estudados na chamada ciência planetária e um dos mais misteriosos também. 

Até hoje não se tem certeza de como o nosso único satélite se formou, o que existem são várias hipóteses. 

Talvez a mais falada seja aquela em que um objeto do tamanho aproximado de Marte se chocou com a Terra, e após o choque se criou uma nuvem de detritos ao redor da Terra, essa nuvem com o tempo foi se condensando e isso deu origem à Lua. 

Mas essa hipótese tem muitos problemas, o principal deles talvez seja com o impacto, a janela para um impacto desse tamanho é muito reduzida, e até mesmo o tamanho do objeto, pois ele teria que bater com um determinado ângulo para gerar material suficiente que viesse a formar a Lua. -

Outro problema são os isótopos, a Terra e a Lua possuem basicamente a mesma assinatura isotópica, indicando que tiveram uma mesma origem. 

As diferenças também apontam problemas para essa hipótese, como por exemplo, o fato da existência de poucos elementos voláteis na Lua, como potássio, sódio e cobre. 

Desse modo, estudar e propor novas hipóteses para a formação do nosso satélite é algo fascinante e que intriga os cientistas planetários. Acaba de ser publicado no jornal Geophysical Research Letters, uma nova hipótese para a formação da Lua. 

Essa nova hipótese também começa com uma colisão massiva. Mas depois, ao invés de criar um disco de material ao redor da Terra é criada uma synestia. Uma synestia é um objeto no formado de um donut, que nessa colisão deveria ter 10 vezes o tamanho da Terra, com 10% da rocha da Terra vaporizada, e o resto sendo líquido. 

Tudo começa com uma semente uma pequena quantidade de rocha líquida que se aglutina fora do centro da estrutura, à medida que a estrutura esfria, a rocha aporizada se condensa e cai como chuva no centro da synestia. Uma parte desse material cai no que será a Lua fazendo com que ela cresça. -

Com o passar do tempo toda a estrutura se contraí e a Lua emerge do vapor, eventualmente toda a sysnestia se condensa e o que resta é uma bola de rocha líquida em rotação que forma a Terra como conhecemos hoje. 

Todo o processo acontece de forma muito rápida cerca de dezenas de anos para formar a Lua e 1000 anos para formar a Terra. 

A vantagem desse modelo é que ele explica as discrepâncias do outro, ou seja, a Lua e a Terra são formadas do mesmo objeto, e assim compartilham a mesma marca de isótopos, a falta de elementos voláteis na Lua pode ser explicada pelo fato da Lua ter se formado por um apor super aquecido e a grande pressão. 

Mas como todo modelo ele não é perfeito, por exemplo, como o vapor foi perturbado para formar a Lua, como o vapor fluiu para formar a Lua, quando a Lua estava ali nesse vapor, do que ele era composto, essas coisas ainda não explicadas por esse modelo. 

O estudo está em estágio preliminar e será refinado e melhorado. 

O importante é, não sabemos ainda como a Lua se formou, e ir até lá fazer medidas diretas, seria algo crucial para entenderemos todo processo.



Fontes: 
https://phys.org/news/2018-02-moon-story_1.html



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, será muito legal...meu muito obrigado!! Volte Sempre!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
▲ Topo