26 de ago de 2014

MANDRÁGORAS - A Raiz Gritadeira



A mandrágora é considerada uma planta mágica desde a antiguidade. Ela aparece, inclusive, em textos do antigo testamento (no livro do Gênesis e no Cântico dos Cânticos).
Desde tempos remotos usa-se a mandrágora para os mais diversos fins; dizem que ela possui qualidades de natureza medicinal e, tanto médicos como curandeiros, a recomendavam principalmente como analgésico e narcótico. Mas seu uso ia muito mais além, pois acreditava-se que ela era afrodisíaca e alucinógena. 
Era muito utilizada pelos antigos romanos como anestésico em suas cirurgias, mas em tempos medievais poucos a utilizavam por ser considerada uma planta de mau agouro.
A raiz desta planta, assemelha-se a um ser humano e, em alguns casos, a um perfeito feto. Devido à esta semelhança, muitos mitos e lendas foram criados ao redor da mangrágora e seu uso na magia e na bruxaria estava também relacionado a esta similaridade. 

Mandrake


Acredita-se que a lenda da raiz gritadeira tenha origem na Idade Média. Para que a raiz da planta pudesse manter suas propriedades mágicas, ela devia ser arrancada somente em noites de lua cheia e, para extraí-la, devia-se utilizar uma corda com uma das pontas amarradas nas ramas da planta e a outra ao pescoço de um cão, de preferência preto. Sendo assim, o cão puxaria a raiz e a mandrágora sairia do solo sem grandes problemas. Caso contrário, diz a lenda, extraí-la sem o devido cuidado poderia ter efeito devastador. Ao ter sua raiz exposta, a mandrágora soltaria um grito tão horripilante e estridente que podia ser fatal a qualquer um que estivesse por perto.
É sabido que a superstição medieval ultrapassava muitos limites e é bem provável que muitos preferiam não arriscar extrai-la de outra maneira.












Cuidado


Vale lembrar que a mandrágora, ainda muito procurada principalmente para para uso em rituais e poções mágicas, é altamente tóxica. É também bastante rara.
Há dois gêneros de plantas de nome "mandrágora" que são bem distintas e de famílias diferentes. Uma é parente do tomate e é considerada a verdadeira. Trata-se da Mandragora officinalis ; possui flores roxas e suas folhas se assemelham às da tançagem. A outra (Bryonia dioica) é parente da abóbora e possui as folhas em forma de palma; tem flores brancas e pequenos frutos vermelhos; é também conhecida como "Nabo-do-diabo".
Devido às dificuldades em encontrar mandrágoras em países fora da Europa, quando se trata de fins mágicos, utiliza-se, ao invés delas, o gengibre ou o ginseng. Ambas raízes também têm aspectos que se assemelham a um ser humano (antropomorfismo), com a vantagem de não serem venenosas.

http://valedomago.blogspot.com.br/2011/08/mandragora-raiz-gritadeira.html



2 comentários:

  1. Aqui, no Brasil, possuímos duas qualidades de Mandrágora officinalis. Para ser mais exato, aqui no Sul. Devido à importação de sementes forrageiras para pastagens nos anos 40 aos 60, foram introduzidas algumas gramíneas Européias para oferecer a mesma nutrição que o gado de leite provindo da mesma região. Nesta situação, junto às variedades de gramíneas, vieram também algumas sementes de mandrágora que, hoje, estão mais adaptadas ao nosso clima oferecendo uma planta mais robusta e resistente ao clima.

    ResponderExcluir
  2. bom dia onde eu encontro para comprar essa mandrágora.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, será muito legal...meu muito obrigado!! Volte Sempre!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
▲ Topo