21 de fev de 2015

Ectogenese: O útero artificial já existe




Alguém pensou na trilogia Matrix? Pois saiba que é uma imagem bem próxima. O útero artificial existe. Em Tóquio, os pesquisadores desenvolveram uma técnica chamada EUFI - incubação fetal extra-uterina. Eles empregaram fetos caprinos, cateteres de rosca através dos grandes vasos, conectados no cordão umbilical e forneceram aos fetos sangue oxigenado enquanto suspendendo-os em incubadoras que continham líquido amniótico artificial aquecido a temperatura do corpo.

Yoshinori Kuwabara, presidente do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Universidade de Juntendo, em Tóquio, tem trabalhado em placentas artificiais há uma década. Seu interesse cresceu a partir da sua experiência clínica com bebês prematuros . Kuwabara e seus associados têm mantido os fetos caprinos neste ambiente por até três semanas. Mas a equipe do médico passou a ter problemas com insuficiência circulatória, juntamente com muitas outras dificuldades técnicas. Pressionado a especular sobre o futuro, Kuwabara cautelosamente prevê que "deve ser possível alargar o comprimento" e, em última análise, "pode ser aplicado a seres humanos."

Por um momento, enquanto você contempla esses fetos de cabras, pode parecer um pequeno salto para o incubatório Central da imaginação de Aldous Huxley. De fato, nas últimas décadas, como a medicina tem se concentrado nos estágios inicial e final da gravidez, o tempo essencial dentro do corpo da mulher foi reduzido. Temos, no entanto, ainda um longo caminho a partir de ligar esses dois pontos, desde a criação de uma gestação completamente artificial. Mas estamos em um momento em que o feto, durante o seu tempo obrigatório no útero, não é mais inacessível, já não bloqueado de intervenções médicas.

Historicamente, novas tecnologias são recebidas com reservas e suspeitas, inclusive pela própria comunidade acadêmica. Sendo fruto de um pensamento novo, elas incidem sobre hábitos arraigados, uma vez que a atividade científica alicerça-se na repetição e resiste à inovação. Em nossa época, são essas descobertas e invenções, principalmente as ocorridas nos campos da biologia e das ciências de computação, que vêm impulsionando as mudanças de paradigmas, tanto na produção de conhecimento quanto nas transformações culturais e de representações do imaginário. Acrescente-se, pois, às resistências do ambiente acadêmico as que se criam no grande público, com freqüência, sob o impacto de informações parciais, equivocadas ou tendenciosas.

Dezoito anos atrás, a fertilização in vitro foi a notícia de tabloide: bebês de proveta! Agora fertilização in vitro é uma terapia padrão, uma disputa de seguros, outro termo médico imediatamente compreendido por mais leigos. Anúncios enormes em jornais diários oferecem fertilização in vitro, programas de ovo-doação, até mesmo a nova técnica de ICSI injeção intracitoplasmática de espermatozoides como alternativas de consumo. Ela costumava ser, para as mulheres, pelo menos, que a maternidade genética e gestacional eram uma e a mesma coisa. Agora é possível ter o seu próprio ovo fertilizado transportada por um substituto ou, muito mais comumente, de passar por uma gravidez que leva um embrião formado a partir do óvulo de outra pessoa.

Dado o forte desejo de estar grávida, o que leva muitas mulheres a solicitar óvulos doados e passar por maternidade biológica sem uma conexão genética com o feto, é realmente muito provável que uma proporção significativa de mulheres iria tirar proveito de um útero artificial? Poderíamos alguma vez chegar a um ponto em que o desejo de levar o seu próprio feto em seu próprio ventre vai parecer uma rejeição deliberada de saúde moderna e higiene, uma terra-maternidade afetada que bate na cara do senso comum.

Então, o que muda quando algo tão fundamental como a reprodução humana sai da cartola, por assim dizer? Seremos, de fato, diferentes, se tivermos o controle sobre esse aspecto mais básico de nossa biologia? Devemos mudar a nossa trajetória genética e, portanto, o nosso caminho evolutivo? Eliminar defeitos ou eliminar as diferenças ou eles são uma e a mesma coisa? Vigiar cada feto, fazer de cada bebê um bebê desejado, ajudar cada criança a nascer saudável - são estes os motivos reais? Quais são os nossos objetivos como uma sociedade, quais são os objetivos da profissão médica, quais são nossos objetivos como pais individuais - e onde esses objetivos divergem?

É curioso pensar que o que julgamos ser nossa decisão, empenhando-nos ou não nessa direção evolutiva, faz parte já das vicissitudes ou das vantagens de um processo em marcha inexorável, sem que tenhamos, evidentemente, qualquer condição de classificação prévia do que seria ‘do bem’ e ‘do mal’ senão – mas este é um importante senão! – em termos de evitar o sofrimento estéril de seres humanos e lhes propiciar, quando não ferindo a instância anterior, a evolução criativa e libertadora.

Infelizmente, mantendo o foco no controle das massas perpetrado pela elite, urge compreender mais profunda e efetivamente, por exemplo, as raízes das diversas formas de apego emocional distorcido e de intolerâncias inter-societárias inaceitáveis – que pretextam sua equivocada lealdade a categorias como ‘família’ e ‘nação’ em detrimento raivoso de sua inserção prioritária na humanidade –, partindo do princípio (filosófico em seu cerne) e do juízo de valor (segundo posição ética assumida sem hipocrisia) de que isto ‘pode’ e ‘deve’ ser feito.

Ou seja, será que algo de bom poderá "nascer" de um útero artificial funcional e institucionalizado?


# Ivan Figueiredo 

Um comentário:

  1. Isto na verdade,sera um açougue humano. vão poder gerar crianças, e usalas em sacrificios humanos, ninguém vai ficar sabendo o que ocorre lá dentro.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, será muito legal...meu muito obrigado!! Volte Sempre!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
▲ Topo