23 de dez de 2016

COMPORTAMENTO CURIOSIDADES MÚSICA SEXO ...O rock não existisse?


Os jovens teriam outro jeito de se vestir, de encarar o sexo e de protestar. Aliás, seriam menos jovens: passariam da infância à fase adulta, sem saber o que era adolescência.

Menos jovens, menos rebeldes e mais virgens. Assim seria um mundo onde nunca houvesse surgido o rock'n'roll. "A maior contribuição do rock para a sociedade foi a libertação do corpo em todos os sentidos", afirma Herom Vargas, professor de história da cultura da Universidade Metodista de São Paulo. "Estaríamos fadados a não fazer amor antes do casamento, a não nos rebelar contra padrões sociais preestabelecidos e enfrentaríamos barreiras até para experimentações estéticas corriqueiras, como usar calça jeans e fazer tatuagens." É possível que não existisse a adolescência como a conhecemos. Até a década de 1950, o esperado era que você passasse de criança para adulto mirim, sem escalas. Com os primeiros solos de Chuck Berry e Bill Haley e as primeiras reboladas de Elvis, ficou claro que uma revolução cultural estava em andamento. E ela afetava diretamente aqueles seres inclassificáveis que estavam na puberdade e queriam imitar os desajustados despojados que apareciam na TV e no cinema. Se nunca tivesse visto Elvis rebolando de jaqueta de couro, o jovem Erasmo Esteves seria um anônimo tijucano sem o sobrenome e talvez sem a amizade de Roberto Carlos, que insistiria em ser famoso com boleros e bossas-novas. Também perderíamos uma forma de expressão importante. Conceitos como socialismo e anarquismo ficariam sem uma plataforma de divulgação competente para os jovens pouco afeitos à leitura de Karl Marx e Mikhail Bakunin, o que enfraqueceria as revoltas e manifestações populares. Como o professor Herom Vargas afirma, o rock trazia em si a noção estética da rebeldia. "A música desobedecia estéticas, com o ruído da guitarra e danças que punham os corpos a distância e cada vez mais soltos. Essas rebeldias se juntaram a todas as outras: sociais, políticas, ideológicas..." Os Sex Pistols não ironizariam a rainha da Inglaterra e o The Clash não lançaria luz sobre conflitos de esquerda na Nicarágua. Até as manifestações que tomaram o Brasil em junho seriam comprometidas. Mayara Vivian, uma das porta-vozes do Movimento Passe Livre, afirmou em plena Câmara Municipal de São Paulo: "Eu não gosto de políticos. Eu gosto de Ramones." Seria mais difícil fazer sexo sem o empurrãozinho dos roqueiros. Assim como nossos bisavós, teríamos poucas chances de treinar nossas habilidades sexuais. A menos que se fizesse tudo às escondidas. 
Com seus refrões libertários e as curtas vidas loucas de gente como Janis Joplin, Jimi Hendrix e Jim Morrison (todos mortos aos 27 anos), o rock foi a pólvora que detonou a explosão da revolução sexual. Sem ele, o "amor livre" ainda estaria preso em algum celeiro do interior dos EUA. 
 Realidômetro - 3 O mundo já esperava um ritmo que questionasse as regras. O rock atendeu A esse desejo. Números do rock Rod Stewart detém o recorde de maior show de rock: 3,5 milhões na praia de Copacabana em 1994 Bandas mais barulhentas (segundo o Guinness): Deep Purple - 117 dB The Who - 120 dB Manowar - 128 dB Segundo especialistas, o primeiro rock é Rocket 88 Ike Turner gravou em 1951 Fontes Herom Vargas, professor de história da cultura da Universidade Metodista de São Paulo; Waldenyr Caldas, professor de sociologia da cultura da USP.

http://super.abril.com.br/comportamento/o-rock-nao-existisse


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, será muito legal...meu muito obrigado!! Volte Sempre!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
▲ Topo