15 de jan de 2015

REPRESSÃO E FUTEBOL: UMA REPETIÇÃO BIZARRA

A combinação de repressão com futebol não foi um privilégio de Brasília no dia de hoje. Também ocorreu na época da copa de 1970.  Nos campos mexicanos, Pelé, Tostão,  Jairzinho e Cia , davam um verdadeiro espetáculo: 4 x 1 na Tchecoslaváquia, 1 x 0 na Inglaterra, 3 x 2 na Romênia, 4 x 2 no Peru, 3 x 1 no Uruguai e 4 x 1 na Itália em plena final. O mundo jamais esqueceu aquela copa. Fora do campo, a repressão da ditadura militar continuava seu trabalho. Anos antes, os soldados batiam nas pessoas no meio da rua, reprimindo as manifestações. Mas as rádios tocavam sem parar: “90 milhões em ação, pra frente Brasil do meu coração. Todos juntos vamos, pra frente Brasil, salve a seleção...” e a nação canarinho festejava o tricampeonato como se tivéssemos ascendido à condição de um país desenvolvido, embalados por uma taxa média de crescimento na década de quase 9% ao ano.
Comenta-se bastante sobre o uso do futebol pelo governo, para direcionar as atenções da população e comunicar a nação um projeto vitorioso. As vezes parece inclusive que o atual faz a mesma coisa, quando destina milhões para os estádios, deixando assuntos mais importantes no segundo plano. Os militares subiram ao poder para inibir um movimento socialista que pretendia fazer o mesmo. Agiram com rigor, torturaram e conseguiram o seu objetivo. Depois, o mundo mudou, a sociedade brasileira pediu e eles saíram pela porta dos fundos, seguidos de uma campanha para desconstruir tudo o que fizeram. Parece que o Brasil ficou traumatizado e tentou esquecer aquele período, como se a história pudesse começar no momento em que nós queremos, quando na verdade ela continua sempre e as vezes até se repete.
Passaram-se 40 anos e muitos dos jovens que lutaram contra o regime, assumiram cargos no governo. Foram eleitos pelo voto para cadeiras e assumiram o poder que um dia eles imaginaram usurpar. Eles não mudaram seu pensamento mas mudaram as suas práticas. O Brasil está há 10 anos sendo governado por um grupo com pensamento socialista, o mesmo pensamento que foi derrotado em 64. O país tem uma expectativa de crescimento este ano de menos de 3%, altos índices de criminalidade, uma corrupção impregnada em tudo, péssimas condições de saúde, educação, transporte e uma legião de viciados em drogas e todo tipo de bolsa. Bem diferente daquilo que se pregava no palanque. Se isso não bastasse, o governo tem usado dinheiro do povo para satisfazer sua política ideológica de parcerias pelo mundo sub desenvolvido e favorecer grupos econômicos internos.
Ao ver pela TV as cenas da polícia reprimindo violentamente os manifestantes hoje em Brasília, na sequência do ocorreu em São Paulo há dois dias, não é difícil lembrar dessa época. Não é difícil perceber uma espécie de repetição bizarra no que está acontecendo. Milhares torcendo pela seleção brasileira que venceu o Japão por 3 x 0, enquanto outros recebiam a truculência dos policiais porque protestavam por melhores escolas e hospitais. Motivos diferentes do passado, governos diferentes, tempos bastante diferentes por ironia trazendo à tona as mesmas cenas do passado. Claramente, o povo está dando o seu recado. Aproveita símbolos de filmes e usa músicas da mídia cantando que a rua é maior arquibancada do Brasil.  No início da competição, vaia sonoramente a presidente e com entusiasmo canta o hino nacional logo a seguir.  Só não entende quem não quer. Vamos ver os próximos capítulos.  Como disse meu sogro: “Vale a pena verde novo”!
http://www.vidadeexecutivo.com/2013/06/repressao-e-futebol-uma-repeticao.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, será muito legal...meu muito obrigado!! Volte Sempre!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
▲ Topo