12 de abr de 2013

Processo de recolonização da América Latina. Conforme mostra Ceceña e Miranda (2009)*

Posted by Liberte Sua Mente on sexta-feira, 12 Abril, 2013


A postagem do módulo 3 de Trabalho e Educação diz respeito ao processo de recolonização da América Latina. Conforme mostra Ceceña e Miranda (2009)*, há um conjunto de fatos que "[...] permite concluir que está em curso um projeto de recolonização e disciplinamento completo do continente". (Cecenã e Yedra, 2009). Gostaria que vcs apontassem quais são o "conjunto de fatos" que caracterizam o processo de "Recolonização" da América Latina, segundo a professora mexicana Ana Esther Ceceña. Saudações, Prof. Fábio Fernandes Villela.

*(Ceceña, Ana Esther; Miranda, Humberto. ¡Yankees go home! Nueva ofensiva de los Estados Unidos sobre los pueblos de América. Revista Herramientas n° 42, octubre 2009. Disponível em: <http://www.herramienta.com.ar/revista-herramienta-n-42/yankees-go-home-nueva-ofensiva-de-los-estados-unidos-sobre-los-pueblos-de-a>.

Ceceña, Ana Esther. Economista, Ph.D. em Relações Econômicas Internacionais da Universidade de Paris I, Sorbonne. Membro economista, do Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade Nacional Autônoma do México, UNAM. Sua área de especialização é o estudo da "hegemonia econômica mundial." Maia Paraíso Coordenador do projeto: concorrência internacional e disputa de recursos estratégicos. Membro do Grupo de Trabalho sobre Economia Internacional CLACSO. Lecionou em casa e no exterior e apresentou documentos em cerca de 20 conferências nacionais e internacionais (México, França, Bélgica, Alemanha, Argentina, Brasil e Guatemala). Revista diretor-Book Chiapas com nove volumes publicados. Ela é uma colaboradora da ferramenta revista.
Miranda, HumbertoMiranda, Humberto. Pós-graduação em filosofia pela Universidade de Havana. Adicionado Instituto de Pesquisa de Filosofia. Desde 1995 faz parte do Grupo GALFISA sobre questões relacionadas com os impactos da globalização e da adaptação das políticas na América Latina, bem como a crítica da economia e alternativas à ordem regional atual. Também é professor adjunto do departamento de ciência política na Faculdade de Charleston, South Carolina.

Embora pareça tão distante como ocorreu em março de 2008, supostamente ataque colombiano em Sucumbios província do Equador, marcou o início de um novo ciclo na estratégia dos EUA de controle de seu espaço de vida: das Américas. Esse não foi um evento isolado, mas uma pedra de uma estrada que vai a caminho.

Naquele tempo as iniciativas de construção foram implantados plataformas regionais de ataque sob o véu da guerra preventiva contra o terrorismo. Mas, na Palestina e no Oriente Médio tornou-se habitual para receber o Pentágono desde a ofensiva de Israel, e temperado com seus propósitos particulares, na América tinha havido um ataque unilateral de um Estado para outro "em defesa de sua segurança nacional."

O ataque delineou as primeiras linhas de uma política de Estado que não se alterou com a mudança de governo (de Bush para Obama), mas é adaptado para os tempos da política continental, na época, resultou em um pedido arejado Equador, apoiado pela maioria reunião regional de presidentes em Santo Domingo.

Prudentemente parou esta escalada militar para diminuir as tensões e abrir caminho para a mudança de governo nos Estados Unidos, mas a necessidade de parar o crescimento da ALBA e encontrar formas seguras para intervir na região, especialmente contra a Venezuela, o Equador e Bolívia, trouxe de volta para os Estados Unidos para se engajar em projetos de desestabilização ou diretamente militarista.

Novas formas de fins de idade. A doutrina feita por Monroe e Kennedy reiterou pela Aliança para o Progresso (Alpro) tem expressões contemporâneas da Área de Livre Comércio das Américas (Alca), a Integração da Infraestrutura Regional Sul-americana (IIRSA) eo Projeto Mesoamericano ( Plano Puebla Panamá antes), mas também na criação de uma grade da região circundante militar como um todo.

A revolução cubana, em 1959, levou a uma cunha de subversão social questionou o domínio dos EUA no continente. A vitória cubana na Baía dos Porcos, em 1961, a sobrevivência do processo cubano após a "crise dos mísseis" e ficar no meio da perseguição e dificuldades foram constituídos em uma represa simbólico desde então, aparece como um bastião de esperança e dignidade, e como uma possibilidade real contra a dominação.

Por esta mesma razão, Cuba é cuidadosamente separado do resto do continente, através de políticas de "democracia espalhando" e tirania luta (Alpro) financeiramente promovida através da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional (USAID), por sua expulsão da Organização dos Estados Americanos e pela manipulação do imaginário para torná-lo evento único e irrepetível, com tal sucesso que, em muitos aspectos do processo cubano não está incorporada a análise, mas como experiência isolada que seja prolongada e rejeitada pela esquerda no continente.

Depois de Cuba e os insurgentes experiências em quase todos os países da América Latina, os processos democráticos foram violentamente interrompido por ditaduras militares financiados pela USAID, como ativo novamente hoje, e elaborado pela Escola das Américas. Ele abriu uma longa noite para o continente e na América foi, novamente, de certa forma, "para os americanos".

Ditaduras se tornou o neoliberalismo, a riqueza de nossos países deixou de ser "o país activos estratégicos" para se tornar atrativos de investimento. A ilusão de uma América unida hegemônicos defendendo os interesses americanos liderados em FTAs.

As revoltas contra o neoliberalismo, tratados regionais, a ALCA e, recentemente, contra a reorganização dois mega territorial e criação de infra-estrutura para a integração energética e saques (Plano Puebla Panamá, cresceu para incorporar Putumayo na Colômbia, e hoje tornar mesoamericana Projeto e Integração da Infraestrutura Regional Sul-americana), forçado a inteligência hegemônica estrategicamente reposicionados no continente.

Falha de mercado como um disciplinador geralmente é acompanhada pela presença crescente de forças políticas e militares da região. O ethos militar prevalece no coração de todo o computador.

Como outra volta do parafuso, levar a mobilização neoliberais mudanças institucionais e as experiências do governo contra-hegemônicas na Venezuela, Bolívia e Equador, e que está em risco, ou pelo menos em apuros, o domínio dos EUA. Com essas novas experiências, que são adicionados ao. Cubana e geopoliticamente-realocados, questionando não apenas as regras do jogo estabelecidas, mas grandes territórios e vastas fontes de fundos começam a sair do controle hegemônico

A ameaça desta fusão e seu potencial de expansão, os ganhos democráticos, a constituição da ALBA Petrocaribe, e sinais de descolamento das políticas de Washington projetados em muitas ocasiões por organismos internacionais, é assumida perigo maior pelos guardiões segurança dos Estados Unidos, independentemente de quem ocupa a presidência, tem uma política de estado para defender como sertão enfrentar o América e deste poderes plataforma o jogo com o resto do mundo.

O golpe de Estado em Honduras, um dos elos mais fracos da ALBA, liderado por um militar hondurenho treinado na Escola das Américas, idealizada em conexão com a base de Palmerola, consultou com o pessoal da embaixada americana e assumidas por a oligarquia hondurenha, que se houver patrocínio de interesses norte-americanos que exigem locais sócios-esconder, é o primeiro operacional relançamento da escalada começou em Sucumbios.

Como parte de uma ofensiva para muitas variações, combinando o jogo de forças internamente constituído intervenções de fora, que apresenta o mesmo com aspecto militar, diplomático, econômico ou de mídia, o golpe em Honduras abre um caminho diferente ameaçando qualquer procedimento democrático e deixa um precedente perverso. Como ler se não a deslegitimação de um governante constitucional e legítimo, derrubado por um golpe violento espúria a Constituição e as formas democráticas, que, no entanto, por um subterfúgio estranho acaba sendo acusado de ser o autor da Constituição e, Por este mecanismo, é equiparado com o governo golpista. Como defensor como um violador da Constituição é um e outro no esquema de diálogo que lhe foi imposta após o golpe de Estado e que, mas para o movimento popular exigindo a restauração da constitucionalidade e rejeitando tanto o golpe ea militarização e seria mais um fato na história.

Honduras não é apenas um país qualquer. Não é apenas um membro da ALBA e Petrocaribe, mas o governo de Zelaya começou a falar de reforma nas terras que historicamente têm sido parte do reino da United Fruit Company, responsável por muitos massacres. Honduras foi o espaço onde a insurgência foi organizado nos anos de lutas revolucionárias na América Central e é ainda espaço para colocar a base militar americana de Soto Cano ou Palmerola, um dos maiores da América Latina, que tem servido como sede Comando Sul desde a sua criação.

Deposto governo de Zelaya, empurrado pela mobilização popular por um ano Palmerola questionou a existência da Segunda Reunião contra a militarização, começou a falar de instalações de valorização que base. Isso, em um momento de crescente presença militar dos EUA, a expansão revitalização ou modernização de suas posições sobre o continente, a intervenção certamente acelerou [1] que claramente responde a interesses econômicos e geopolíticos muito mais importantes do que o a oligarquia local.

No entanto, apesar de sua gravidade, o golpe em Honduras só anuncia o que aparece para os governos que ousaram desafiar a regra e que continuam a ser perseguidos. Honduras foi atingido em uma busca para alcançar objetivos muito maior importância geoestratégica como Venezuela, Equador e Bolívia, e é agora, independentemente do seu resultado, um dos suportes da estratégia em curso.

Honduras foi o elemento gatilho, ou melhor, a cortina de fumaça que levou ao renascimento do projeto após as Sucumbíos ataque interrompidos: o estabelecimento de uma sede regional chamada guerra preventiva na América, ao lado do Canal do Panamá e na entrada muito da bacia amazônica, mas, mais importante em termos estratégicos processo fronteira circunstancial desconfortável para as principais potências mundiais lideradas pelos Estados Unidos.

Enquanto a nebulosa criada por Honduras olhou para longe, voltar-se para desencadear as montagens para acusar os cúmplices das FARC como um grupo terrorista reconhecido apenas pelo Pentágono na região, os presidentes da Venezuela e Equador, mas, acima de tudo, revive um antigo acordo entre a Colômbia e os Estados Unidos, que concede imunidade às tropas norte-americanas em solo colombiano e permite a instalação de sete bases militares norte-americanas, além de seis já registrado pelo Pentágono e do Congresso, em seu Relatório de Estrutura de Base.

O plano de disciplina passa alianças continentais ruptura geográfica e politicamente progressista e processos emancipatórios continentais. Em Honduras é uma cunha para enfraquecer e quebrar dividindo potenciais processos democráticos na América Central, e, simultaneamente, que se articule com o corredor de contenção de contra-insurgência que compreende México, Colômbia e Peru, que estão gradualmente a adição de outros potenciais aliados (ver mapa). O "israelização" da Colômbia, que se destaca como um ponto nodal, articulou esse corredor, parece estar tentando construir um muro de separação entre a Venezuela, Equador e Bolívia, criando em condições de relativo isolamento em termos geográficos. Colômbia como plataforma de negociação ligada a toda uma rede de posições e cumplicidade que cercam e isolar as experiências contra-hegemônicas e / ou emancipatórias para cortar irlas, dissuadir ou derrotar a médio prazo. [2]

Mas, além deste corredor geopolítica, que também cruza geograficamente, com áreas mais ricas do continente, você pode localizar outra linha mais sutil de intervenção que poderia ser estabelecido como o centro de Miami-Bogotá-México [3], que tem como objetivo grupo endógeno uma suposta direita, carrega um modelo latino-americano afirmou-se contra as propostas emergentes emancipatórios. O envolvimento de grupos anti-castristas em Miami e seus colegas no Pentágono no golpe de Honduras foi evidente em ambos os anti declarações surpreendentes dos protagonistas do golpe de Estado, parecia que saídas da política da pré-história, e do aparecimento em cena personagens como Otto Reich.

Este conjunto de fatos a conclusão de que um projeto está em andamento e disciplinar continente recolonização inteiro. Com o entusiasmo consentimento e mesmo das oligarquias locais, com a parceria de grupos de extrema direita instalados em alguns governos da região, na América Latina é muito mais do que fazer um novo Israel, onde a faixa deve ser medida com os aviões distâncias e monitoramento alcançado em um único vôo sem reabastecimento, ou tempos de chegada objetivos circunstanciais, que são muito pequenas a partir de posições colombianos, ou a capacidade de responder rapidamente às contingências principais cidades vizinhas: Quito, Caracas e La Paz, ou a segurança económica, dado situado ao lado do óleo de Orinoco, equivalente aos depósitos da Arábia Saudita, e ao lado do escoamento superficial do rio Amazonas principal continente de água doce, ao lado dos maiores depósitos de biodiversidade do planeta, com o Brasil e com possibilidades de aplicar a técnica da bigorna, com a cooperação do Peru, para qualquer um dos três países da América do Sul têm ousou desafiar o poder hegemônico.

Apesar de Honduras mostra claramente os limites da democracia dentro do capitalismo, o fundo de Honduras, com a proposta de instalação de novas bases na Colômbia ea imunidade das tropas americanas em solo colombiano, tornaria o país inteiramente em locações Exército dos Estados Unidos que ameaça a capacidade soberana de autodeterminação dos povos e países da região. Uma base militar dos EUA sobre o tamanho de um país inteiro e no coração da Amazônia.

Tudo indica que as ações do enclave militar na América do Sul será alvo estados inimigos ou estados fracassados, que, de acordo com as novas regras promovidas pelos Estados Unidos, pode ser historicamente falharam ou tornar-se quase instantaneamente estados falhou "em colapso". Quaisquer contingências pode transformar um país em um Estado falido e repentina, portanto, susceptível de ser envolvidos. E entre as contingências são as relações com alguns de seus líderes descritos como um grupo terrorista (é lá que explica a insistência acusando Chávez e Correa de manter relações de colaboração com as Farc), os conflitos transfronteiriços ou de penetração de narco .

Uma vez declarada a intervenção do Estado não pode ser realizada a partir da Colômbia, que será equipado para avançar em seus vizinhos.

Espera-se a busca de outras instalações militares em um futuro próximo (por enquanto no Peru, que já está estabelecendo amplos compromissos de tropas norte-americanas que operam em seu território desde 2006 e com possibilidades de usar bases em Leeds e área VRAE), combinado com os processos de fortalecimento militar e aparelho de inteligência, em geral, nos países latino-americanos. Espera-se também que a construção de estados fracassados vai encorajar deserções por militares, ou culpar funcionários corruptos do governo por ligações com atividades progressivas criminalizadas pela hegemonia ou a implantação do tráfico de drogas nas favelas de Caracas e outras cidades como como uma ferramenta para desencadear conflitos e desestabilizar / controlar uma região cada vez mais rebelde.

Apenas alguns meses da ascensão presidencial de Obama, é ingênuo pensar que já há uma mudança na política dos EUA para a região. O padrão de dominação é clara e delineada. Os Estados Unidos, como disse Martí, "com aquela força adicional nossas terras da América." Não deve ser de múltipla escolha, regional, social, solidária, coletivamente. Uma resposta que se estende desde o Rio Grande até a Patagônia e reditúe para a independência de nossas nações.

Quinhentos anos de luta que temos desde que os povos da América Latina a experiência suficiente para enfrentar a presente batalha contra a colonização, saques e imposições de todos os tipos. Hoje, essa luta vai para parar e inverter a militarização e liquidação das tropas norte-americanas na Colômbia e em todos os países nos últimos 500 anos à revelia não têm sido em vão.

Não slogan mais sensata e adequada neste momento que o renovado "Yankees, go home".


Apresentados pelos autores para publicação na ferramenta

[1] Um dos aspectos interessantes do envolvimento meio escondida e dos EUA no golpe de Estado em Honduras é como os recursos foram geridos de remessas, fundamental hoje em apoio da economia dos EUA. BBC mundo, na América Latina na seção de Internet do 09 de setembro de 2009, publica dados sobre o aumento das remessas de os EUA para Honduras logo após o golpe. O mesmo aconteceu nas eleições anteriores foi feito salvadorenho mudar radicalmente o mapa eleitoral quando as pesquisas mostraram o vencedor da FMLN e da administração Bush anunciou a suspensão das remessas.

[2] Este esquema também está incentivando uma corrida armamentista na região elevando os gastos militares a níveis sem precedentes. Com o Brasil levando-se gastar 14 bilhões de dólares em armas, esta forçando países dinâmicos como a Venezuela, Equador e Bolívia, para desviar recursos de programas de desenvolvimento e de melhoria social para a defesa, enquanto os Estados Unidos implantado suas forças militares subsidiar indústria da guerra colombiana.
[3] Agradecemos Guillermo Castro cheiro de perceber a conformação deste eixo outra sobreposta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, será muito legal...meu muito obrigado!! Volte Sempre!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
▲ Topo