18 de jun de 2018

O time que humilhou os nazistas - A corajosa e comovente história do F.C Start - (Caso Real)

2 comentários:


FATO HISTÓRICO NO FUTEBOL NA ERA ADOLF HITLER 
1942 um jogo de vida ou morte entre F.C Start (Ucrânia) vs FLAKELF (Alemanha)


Estamos no ano da Copa. Vale lembrar um fato histórico que pouquíssimas pessoas sabem, de vida ou morte no futebol na era Adolf Hitler.
Setenta anos se passaram....
Setenta anos desde que a vida nesse canto do mundo foi destroçado pela guerra.
Mas na cidade de Kiev...
Se as gerações do passado voltassem à vida e falassem, você não ouviria apenas histórias de frieza e desespero...
Porque, apesar de tudo, havia esperança.
Tenha certeza do que o povo de Kiev sabe: em meio ao terror, houve o TRIUNFO.







O BRASIL DOS IMPASSES

Nenhum comentário:
Um dos problemas mais sérios do nosso tempo é que perdemos as muitas perspectivas de olhar. É sempre de um lado ou de outro, é bom ou mau, é certo ou errado. Somos estimulados pelo imediatismo das comunicações de redes sociais que não permitem a maturação dos assuntos, mas vivem de curtidas afobadas. 

Os imbecis sempre existiram e creio que Umberto Eco acertou quando disse que as redes sociais deram voz a uma legião deles. 

Diante disso fica mais difícil entender o que está acontecendo no Brasil dos impasses. -

A imprensa, como sempre, trata a priori de desqualificar qualquer movimento de massa que ameace desestabilizar o status quo. "Especialistas" com idiomas próprios afirmam que não é possível mudar, que as coisas são o que são e que devemos aceitar que dói menos. Engraçado notar (a exemplo de Junho de 2013) como o jornalismo tende a mudar de opinião rapidamente, passando a apoiar movimentos que antes condenava, assim que percebe que está remando contra a maioria. 

Os políticos, cada um a seu modo, fazem demagogia, esquivando-se de eventuais responsabilidades diante de um cenário que não se limita ao preço dos combustíveis, dos fretes ou a situação dos caminhoneiros, mas de um sistema inteiro de descaso, que existe como fim em si mesmo e que jamais querem mexer. Arrecadam no consumo, na renda, em tudo e nunca tem dinheiro. Elegem-se para defender interesses nada públicos e vivem como reis bancados pelo povo.

A mobilização da população é justa e desejável. Mas que não seja cooptada por salvadores da pátria. Seja quem pensa que político X ou Y resolverá, ou quem ingenuamente espera que uma eventual intervenção militar seja a solução de todos os problemas. Continuaremos a esperar por salvadores da pátria enquanto não tomamos consciência que a pátria somos nós e como tratamos no cotidiano o outro, o trabalho, a cidade e nossas prioridades. Ninguém virá nos salvar. 

Por mais que haja excessos e que a população esteja sofrendo serias consequências, acho simplista responsabilizar as paralisações sem levar em consideração o que elas significam. 

O Brasil escasso e rendido não é fruto da ação de uma categoria apenas. Colhemos os dividendos de nossa omissão histórica, nosso encanto por heróis de gravata ou de farda, nossa paralisia diante dos muitos e muitos golpes promovidos por políticas públicas corruptas e demagógicas há tantos anos. ---

Se um país tão privilegiado pela natureza, tão rico, vive a penúria que nos encontramos, deve haver em cada um de nós um movimento mínimo de autocrítica, pelo menos diante de nossa renovada esperança em "seres iluminados" ou "sistemas salvadores", enquanto nos esquecemos que cabe a cada um de nós, em nossos micro cosmos, trabalhar por um país mais justo a partir do ambiente em que vivemos, de como lidamos com o trabalho, do tipo de postura que alimentamos na vida. Sim, isso conta! 

Sei que a hora não é para sofismas. Sei que é necessário um acordo que nos livre de mais uma semana de caos. É preciso algo prático que faça a roda girar e exorcize os fantasmas que assombraram os últimos dias. 

Mas também é preciso lucidez que se movimente para muito além do maniqueísmo das redes sociais ou o reducionismo dos telejornais. Se queremos algo, que fique claro o que é. Se é para mudar, que aceitemos começar por nós e como lidamos com o que é público. Que tenhamos em mente que o país que vivemos reflete o povo que somos e, o povo que somos, reflete a pessoa que sou.

Nessa hora é fácil eleger heróis ou vilões, todo cenário está armado para isso. O desafio é perceber nosso papel, o meu, o seu, o de cada um dos que hoje tem receios sobre que tipo de surpresas o Brasil dos impasses nos reserva para amanhã. 

Em quem votaremos, como seremos no ano que vem, os caminhos que nos movimentarão para longe das tantas armadilhas, acredite, estão diretamente ligados às escolhas que estamos fazendo agora. E isso inclui a mim e a você.


17 de jun de 2018

Futebol o maior negócio do mundo

Nenhum comentário:
O futebol, paixão nacional, esporte que une a família que passa de pai para filho.
Somos a terra com 200.000.000 de técnicos. Nelson Rodrigues já dizia:"Das coisas menos importantes, a mais importante."


Para muitos a paixão a primeira vista, para outros sinônimo de dinheiro e conquistas, como não poderia deixar de ser. 
O esporte mais popular do planeta se divide entre o grito da torcida e o barulho das caixas registradoras.
Dos anos 70 até os dias de hoje se transformou em um imenso negócio. Estima-se que o futebol movimente bilhões de dólares todos os anos. 

Desde 2014 mais de 40 jogadores trocaram o futebol brasileiro pelo chinês, já custa mais de R$ 500.000.000 para montar o seu próprio time no EUA. 

A COPA DO MUNDO é o maior espetáculo da Terra, e em meio ao oceanos de riquezas, fica a pergunta; 

  • Para onde estamos indo? 
  • Para que lado estamos rumando? 
  • Será o fim do futebol romântico ou início de algo completamente novo?



POR QUE TORCEMOS POR ESSE VILÃO?

Nenhum comentário:
Willie E. Coyote persegue o Papa-Léguas, mas tem de lidar com um oponente muito maior que o pássaro. Quando você percebe o que está em jogo nesse desenho, você entende o motivo pelo qual tantos de nós se identificam com o coiote.





16 de jun de 2018

Quem liga para a Copa do Mundo?

Nenhum comentário:
Ponderância sempre em tudo!

Gostar de futebol não faz de você um idiota, e não gostar de futebol não faz de você o cara mais inteligente do mundo.
Mas, seria muito mais interessante e importante se o brasileiro pesquisasse os candidatos como pesquisam os jogadores.
Imagine se o brasileiro pressionasse os políticos, assim como pressionam o treinador quando a seleção vai mal?!
Se lutassem pelo país como luta pelo time?! 


Enfim, quero deixar bem claro que torcer pela seleção não é sinônimo de ser fútil ou ignorante, porque se assim for, você é apenas mais um fanático radical pelo avesso.
Agora fútil mesmo é achar que futebol é a coisa mais importante do mundo, porém não tem nada demais em torcer pela seleção ou seu time do coração...blz?!

 



14 de jun de 2018

A História da Copa do Mundo

Nenhum comentário:
Mais uma vez uma Copa do Mundo 
Quem gosta do esporte fica ansioso pelo evento, e mesmo quem não gosta sabe do que se trata. E em ambos os casos pode se aprender bastante não só com a Copa do Mundo, mas com os esportes e jogos em geral. Importantes fenômenos culturais e políticos das sociedades. No clássico HOMO LUDENS, do historiador JOHN HUIZINGA, ele explica como o ato de jogar e a prática de atividades esportivas são elementos essenciais da cultura.






Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
▲ Topo