31 de dez de 2015

Feliz Ano Novo de 2016 para todos os amigos e amantes do site!

Nenhum comentário:
Olá prezados amigos e seguidores do site Liberte Sua Mente!

Venho eu Renato Brito por esta a desejar a todos um Feliz Ano Novo de 2016, de crescimento, paz, saúde, felicidades e muito amor sem moderação, e por fim, o despertar-se de si mesmo (o nascer do novo homem).

Que o ano de 2016, seja para reflexão e retrospecção de vida, e que esse ano seja para você avançar e progredir, com uma mente renovada regida livremente por uma consciência que o conduz no seu verdadeiro "caminho" - o não caminho, que é o único e verdadeiro caminho.

Para o ano de 2016, as publicações aqui no blog, não seguirá mais o que era de costume com matérias que tenho eu percebido nessa longa jornada de pesquisas e observações, que tudo que está fora do homem, não é nada mais que o triste reflexo de tudo que há dentro dele, onde a guerra e os conflitos interior é o seu lema - refém de si mesmo, por medo de conhecer o desconhecido.
Percebi que muitas informações que são divulgadas por aí, tem apenas como propósitos alarmistas, cuja intenção é de gerar pânico generalizado com assuntos de moda e crenças culturais endossada pela pseuda ciência, em que a mesma ofusca a verdade observada, experimentada e tratada com concretas evidências reais. Porém a pseuda ciência lida como (fast food), em alimentar o povo dentro do imediatismo a base de pura crença cultural como se essas informações fossem uma "verdade absoluta" ou uma verdade final.
Vi e analisei que tudo que está aí, e que é lançado em primeira mão, é o nítido desespero humano por emoções fortes e adrenalinas as alturas, com informações viciantes para viciados em coisas que só alimentam a paranoia da insanidade da mente humana e calculista. Onde o que as pessoas querem mesmo é sair de sua vida de rotina e sem graça, porque até mesmo a sua existência é insuportável, então é nessa que as pessoas aderem esse tipo de comportamento mesmo sabendo que tudo é mentira. 


E diante dessa constatação pessoal eu percebi que durante os meus anos de pesquisas, eu não vi nenhum progresso e evolução no homem, diante de informações sem realidade em si mesma, mas tendo uma embalagem de uma verdade pronta. O homem só tem regredido, tornando se refém do seu próprio medo, que é sempre alimentado com coisas que ele mesmo gera e consome fazendo de tudo que ele se relaciona a sua própria prisão.

Então por essa razão é que aqui as matérias que serão divulgadas apenas irão tratar no que tange ao universo humano. Quem segue o site, já deve ter percebido a mudança.
Então serão assuntos voltado ao próprio ser humano perdido em si mesmo, numa falsa esperança que nunca irá chegar em quanto ele mesmo não for essa esperança do seu próprio mundo.
O mundo não é a causa dos males e da desordem, mas sim, o mundo reflexo do homem em gerra com ele mesmo.
A solução para o homem em guerra como inimigo de si mesmo, só existe no amor, no seu auto-conhecimento.
Então em suma....o homem só precisa dele mesmo, numa introspecção sincera e honesta, perdendo o medo de si, em primeiro lugar, para que o efeito dominó tenha efeito positivo em seu próprio universo. Retomando a sua real e inerente posição no seu livre universo, onde o mesmo é nada e tudo em si mesmo.


Lembrando que abrirei exceção para alguns outros assuntos que realmente tem verdade e grande relevância. 

Agradeço a todos os leitores e amantes do site por tudo que fizeram e de tudo que de forma direta ou indiretamente contribuíram para que o site chegasse até aqui, e que juntos mais uma vez possamos seguir em frente numa visão mais livre e consciente de que tudo está em nós, dentro de nós.....e o que passar disso é criar uma lenda de si mesmo.

Um grande e forte abraços para todos os amigos e fãs do site. Sempre Avante!!!


Dedico esse vídeo a todos vocês amigos e amantes do site.....





30 de dez de 2015

CHOQUES DE REALIDADE - NEUROSE FAMILIAR II

Um comentário:

NEUROSE FAMILIAR II

Antes de mais nada eu peço encarecidamente que antes de julgar o que disse sobre o assunto em questão, leia sem ser movido pelo sentimentalismo religioso ou de forma condicionada. Examine o texto com uma visão mais racional, ampla e consciente de uma realidade ao qual ninguém tem coragem de tratar ou expor, por achar que tudo não presta nesse mundo, mas que a única coisa que se salva mesmo é a "família", quando na verdade se o mundo é como é, isso tudo se deve de como as famílias vivem e se comportam umas com as outras. A família não é resultado de como o mundo é, mas sim, o mundo é o resultado de como a "família" está. Pense!!!! 

Esse modelo de família não é natural gerada pela natureza, mas uma célula de EGOÍSTA e não uma UNICIDADE de família em amor real para todas as direções.
Essa estrutura familiar é uma herança automaticamente adotada por gerações imperializado pelo ego humano, onde se tem apenas tribos agregados, mas segregados do Amor único e Universal. Não há uma família com raríssimas exceções que se amam livremente de forma horizontal, mas automaticamente de forma egóica e auto-concentrada, geradores de escravos dependentes, onde todos são servos e senhores entre si....reféns de sua própria prisão e lealdade singular ao que serve apenas de insulto a própria natureza.  

O roteiro ou a cartilha social é o que as famílias iludidamente são arrastadas e auto-regidas para interpretar papéis (dogmas/regras) numa novela onde os episódios nunca são naturais e nem inéditas e libertadoras. Numa estrutura assim nada é por livre essência onde o amor seria o protagonista da vida real. Mas o amor condicionado e cultural apenas ofusca a realidade cruel do que se tem ou que se chama de família.

Uma mãe é um termo cultural, mas uma mulher é a sua essência de ser e de vida por excelência, mas infelizmente por conta de um papel se anulam de si e da própria vida, para agora sacrificar-se em viver em função dos filhos (as) ou do marido e também da casa, que é mais uma cela do que um lar, esquecendo a mesma que acima de tudo isso, ela é uma pessoa, uma alma, uma mulher, um mundo, que tem vida para viver em liberdade e amor para consigo mesma. Se a mulher não aprender a se amar de maneira incondicional, ela certamente irá se tornar refém do seu próprio engano e da escravocracia da célula familiar.
Uma família que existe hierarquia, regida por um sistema onde há uma tal "cabeça" onde todo o resto é tratado como posses ou objetos por estes está dentro do território de um senhor, onde tudo passa a ser dele, mas a filha é comercializada e condicionada repassando-a como um troféu para o próximo futuro proprietário (marido/pai), e a "esposa" por sua vez é explorada num sentimento hipnótico de que ela nasceu para ser cegamente submissa, tendo orgasmo com uma imaginária "coroa" titularizada como "rainha" do lar......mas que piada isso!!! Nunca vi uma rainha ser escrava do seu rei e nem muito menos dos membros participantes de sua realeza!!! 


Não confundam realeza com senzala.

Que possamos amar tudo sem apego, delegando e instruindo a todos os membros a viverem em unicidade em um amor em que todos são 'um' e 'um' em todos, amando tudo e a todos livremente, sem fazer dos nossos entes queridos como se fossem seu ou que o seu filho ou qualquer ente é tudo em sua vida. Porque tudo é passageiro e verdadeiramente em absoluto que nada é nosso e nada temos como isso ou aquilo, mas tudo que temos como por exemplo a família são pessoas que cruzaram o nosso caminho seja casando-se ou tendo filhos....são pessoas e não objetos....vieram mas que vão embora...são indivíduos e não a nossa cópia. 

E que as mulheres entendam que vocês são capazes para fazer a diferença em sua própria vida sem se manter como vítimas do seu próprio medo da sair da sua própria cela ou gaiola que vocês mesmas a criou, e nem seguir imaginando e acreditando que vocês nasceram para se anular por conta dos outros que você ama. Lembre-se ...você é uma vida para o amor e não para ser uma serviçal a carregar o mundo nas costas.
Você se casou para amar e ser amada, e não ser o que vemos até hoje por aí, uma mulher que tem
"marido" (dono/proprietário), e não um amigo que a ama vivendo juntos em amor e liberdade em um lar de harmonia. A sua autonomia e liberdade são inegociáveis. 
Liberte-se e se desligue de todas as responsabilidades que não é e nem nunca foi sua.....voe pássaros, onde as suas asas são o seu céus!!!   

E os homens que vem até hoje com essa idiota ideia implantada socialmente de que são "cabeças", mandões, o machão da casa, chefe de família, provedor, salvador, príncipe, porque ele tem uma frágil princesinha (coitada e incapaz), sem um homem na vida dela. É dessas balelas é que nasce, inconscientemente a ordem da exploração e da ditadura de um modelo de família camuflada, tudo isso em nome de um "amor" que não é nenhum pouco digno de relevância alguma.
Para os homens eu apenas digo uma coisa....o seu "papel" é de apenas amar a "sua" mulher e a sua família em total liberdade sem achar que você é alguma coisa a mais ou menos que os demais membros de sua família.
Não seja e nem viva o que você não é, e o que não tem,
Não vive de interpretar mas de viver em família de amigos que se amam em liberdade,
seja e viva na sua total autenticidade de forma livre e consciente. Não viva como um patriarca, mas como amigo de todos.
Lembre-se, e livra-se do seu ego, em que nada é seu nem mesmo o que você acredita piamente que você tem uma mulher e filhos que são seus, mas que na transitoriedade da vida apenas estão com você.
Nada é seu, todos são águias que não podem viver em gaiola...mas que todos podem voarem juntos como tais e não como vítimas ou objetivados por uma "cabeça" militante. 
Todos nós somos como flores, tire a flor do seu lugar pelo seu desejo de posse, e veja o que logo irá acontecer com ela, o que antes era bela e maravilhosa flor que exalava o bom perfume para todas as direções, ela em seu poder e posse, logo irá morrer, tendo um aspecto sombrio comprometendo o ambiente no exalar da morte da mesma flor possuída.

Que os rótulos entre família sejam mantidos apenas como referências, e nunca na crendices do que de fato não são para serem tomadas a risca.  


Agora vem a pergunta.....de quem é a culpa? 

Todos são vítimas de vítimas, servos cegamente obedientes a uma mente calculista 

Para que todo esse sistema possa ser desmantelado, é ser em família livres e conscientes regido pelo amor único real e amplo. Todos devem resgatar e saber que dentro de uma família todos devem ser (((amigos))) a livre essência por excelência elevada e não tratar uma família como uma instituição sistematizada ou religiosamente tratada.


Uma flor não nasceu para ser possuída por nada e ninguém, mas para apenas ser apreciada em amor. 
Ame-a em liberdade e terá sempre o bom exalar do seu perfume e vida.
O amor ama, mas o desejo mata


Obs: Mas tenho a plena consciência que o que foi dito acima, não é algo que vamos vê em nossa geração. Porque essa geração mesmo em pleno século 21, continuam entupidas, amarradas e apegadas a tudo como verdade absoluta, em que os efeitos colaterais foi se tornando por eras escravos de sua própria lealdade. 


- Por Renato Brito








O amor é um estado natural da consciência

Nenhum comentário:

"O amor é um estado natural da consciência. Não e nem fácil nem difícil, essas palavras de forma nenhuma se aplicam a ele. Ele não é um esforço; por isso não pode ser fácil nem pode ser difícil. É como respirar! É como as batidas do coração, é como o sangue circulando no nosso corpo
O amor é o nosso próprio ser... Mas esse amor ficou quase impossível. A sociedade não o permite. A sociedade condiciona você de tal forma que o amor fica impossível e o ódio passa a ser a única coisa possível. Então o ódio é fácil, e o amor não só é difícil como impossível. O homem tem sido deturpado. Ele não pode ser reduzido à escravidão se não for primeiro deturpado. Os políticos e os padres têm participado de uma profunda conspiração ao longo das eras. Eles têm reduzido a humanidade a uma multidão de escravos. Estão destruindo qualquer possibilidade de rebelião no homem - e o amor é uma rebelião, porque o amor ouve só o coração e não dá a mínima para o resto.
O amor é perigoso porque ele faz de você um indivíduo. O Estado e a Igreja... Eles não querem indivíduos, de jeito nenhum. Não querem seres humanos, querem ovelhas. Querem pessoas que só pareçam seres humanos, mas cuja alma tenha sido esmagada de tal maneira, tenha sido danificada a tal ponto, que o estrago pareça quase irremediável.
E a melhor maneira de destruir o homem é destruir sua espontaneidade de amar. Se o homem tiver amor, não poderá haver nações; as nações existem no ódio. Os indianos odeiam os paquistaneses e os paquistaneses odeiam os indianos - só assim esses dois países podem existir. Se o amor surgir, as fronteiras vão desaparecer. Se o amor surgir, então quem vai ser cristão e quem vai ser judeu?
Se o amor surgir, as religiões desaparecerão.
Se o amor surgir, quem irá ao templo? Para quê? É porque está faltando amor que você sai em busca de Deus. Deus não é nada mais do que um substituto para o amor que está faltando. Como você não é bem-aventurado, não está em paz, não está em êxtase, você está em busca de Deus. Se a sua vida é uma dança, Deus já está no seu coração. O coração amoroso está cheio de Deus. Não há necessidade de mais nenhuma busca, não há necessidade de mais nenhuma prece, não há necessidade de ir a templo nenhum, de procurar sacerdote nenhum.




28 de dez de 2015

AS CRENÇAS E AS MODAS CULTURAIS

Nenhum comentário:
AS CRENÇAS E AS MODAS CULTURAIS 

O homem sempre teve uma forte emocionais tendências em acreditar apoiado em lendas urbanas e em mitos religiosos, por desconhecer a única coisa real que existe - (((ELE MESMO)))

O homem não nasceu para crer, mas para lidar com sua própria realidade criada por ele mesmo como DEUS de si mesmo.
O homem não precisa de religião,crendices e seus derivados. O problema todo vem de forma omissa por parte do homem em parceria a tendenciosa por parte do sistema religioso, ele foi empurrado e condicionado a ter uma falsa necessidade de se crer em alguma coisa.
O que o homem precisa mesmo é apenas a não ter mais medo de si mesmo, mas sim, conhecer-se com honestidade e coragem.
Deus, diabo, anjos, fadas e ETs e entre outros, são tudo uma moda de ordem social e cultural gerado pela coletiva e viciosa ignorância selada pela pseuda ciência (Fast Food). 
Desde que mundo é mundo os mitos criados sempre atravessaram eras e eras hipnoticamente recebida por desconhecer o desconhecido, onde a autocomiseração imposta é a grande barreira para enxergar o óbvio diante da realidade que sempre contradiz, o coletivo delírio das fantasias que só tem impedido a liberdade e o independente progresso humano. 
O problema maior não é o reflexo do mal que o mundo vive e passa atualmente, mas o mundo que nunca é tratado e nem visto - o mundo humano (o universo humano ignorado), onde a causa de tudo está tudo dentro dele, ou seja, bom ou mal, céu ou inferno.
Tudo que está fora como moda de todas essas coisas que foram ditas aqui, são tudo coisas extremamente desprezíveis e sem valor algum para a nossa evolução e crescimento pessoal.  Essas coisas é apenas distração maior onde novas e novas crendices nascem para impedir o homem de avançar em si mesmos. Porque quem 'crer' se transfere, porém quem se 'aceita' como é, se assume.

CONHEÇA A TI MESMO, E O MODISMO CULTURAL E CRENÇAS RELIGIOSAS DESPARECEM DO SEU MUNDO DE REALIDADE.

- Por Renato Brito





27 de dez de 2015

Não seja dependente de mestres

2 comentários:
Não há mestre, guias, gurus, e entre outros a serem seguidos, porque o verdadeiro mestre não existe fora de você, mas sim, inerentemente dentro de você. 





22 de dez de 2015

Marcelo Gleiser - Nossas Origens

Nenhum comentário:





Existe destino ou predestinação?

Nenhum comentário:
Que cada dia, realmente seja um novo dia
Nada, absolutamente nada do que acontece em nossas vidas poderia ter sido de outra forma, por menor que seja o detalhe. Não é destino ou predestinação, é apenas o fluxo da vida regido por leis do efeito inicial...
A cultura hindu, ensina quatro leis da espiritualidade:

A primeira lei diz:
“A pessoa que vem é a pessoa certa”.
Segundo essa sabedoria hindu, ninguém entra em nossa vida por acaso. Todas as pessoas ao nosso redor que interage conosco, têm algo para nos fazer aprender e avançar em cada situação...

A segunda diz:
“Aconteceu a única coisa que poderia ter acontecido”.
Nada, absolutamente nada do que acontece em nossas vidas poderia ter sido de outra forma. Mesmo o menor detalhe. Não há nenhum “se eu tivesse feito tal coisa…” ou “aconteceu que um outro…”. Não. O que aconteceu foi tudo o que poderia ter acontecido, e foi para aprendermos a lição e seguirmos em frente na nossa jornada. Todas e cada uma das situações que acontecem em nossas vidas são perfeitas...

A terceira diz:
“Toda vez que você iniciar é o momento certo”.
Tudo começa na hora certa, nem antes nem depois. Quando estamos prontos para iniciar algo novo em nossas vidas, é que as coisas acontecem...

E a quarta e última afirma:
“Quando algo termina, ele termina”.
Estamos nessa vida para viver inúmeras experiências, e se continuarmos sempre voltando as mesmas páginas deixaremos de ler outros livros maravilhosos que só estão aguardando por uma chance para entrar em nossas vidas. Por isso é importante virarmos a última página sem dor no coração e pegarmos outro livro...
Surpresas maravilhosas estarão te esperando, basta você abrir o novo livro e começar a ler esse novo capitulo da sua vida...
Esse atual sistema nos prende por meios de artimanhas a uma roda de horror eterno, onde a cada dia nos conduz a repetir o que fizemos ontem. Você levanta a cada manhã e, embora seja um novo dia, lá vai você fazer o que exatamente fez ontem. Isso é parecido com o leitor com amnésia, que todo dia ao acordar ler as mesmas páginas do dia anterior.
Enquanto, esse paradigma não for quebrado jamais será possível viver de verdade.
Para viver de verdade somente é possível, se houver em nosso íntimo o verdadeiro AMOR. Assim, para concluir esse texto quero termina-lo com uma oração Celta do AMOR.
"Que jamais, em tempo algum, o teu coração acalente ódio.
Que o canto da maturidade jamais asfixie a tua criança interior.
Que o teu sorriso seja sempre verdadeiro.
Que as perdas do teu caminho sejam sempre encaradas como lições de vida.
Que a música seja tua companheira de momentos secretos contigo mesmo.
Que os teus momentos de amor contenham a magia de tua alma eterna em cada beijo.
Que os teus olhos sejam dois sóis olhando a luz da vida em cada amanhecer.
Que cada dia seja um novo recomeço, onde tua alma dance na luz.
Que em cada passo teu fiquem marcas luminosas de tua passagem em cada coração.
Que em cada amigo o teu coração faça festa, que celebre o canto da amizade profunda que liga as almas afins.
Que em teus momentos de solidão e cansaço, esteja sempre presente em teu coração a lembrança de que tudo passa e se transforma, quando a alma é grande e generosa.
Que o teu coração voe contente nas asas da espiritualidade consciente, para que tu percebas a ternura invisível, tocando o centro do teu ser eterno.
Que um suave acalanto te acompanhe, na terra ou no espaço, e por onde quer que o imanente invisível leve o teu viver.
Que o teu coração sinta a presença secreta do inefável!
Que os teus pensamentos e os teus amores, o teu viver e a tua passagem pela vida, sejam sempre abençoados por aquele amor que ama sem nome. Aquele amor que não se explica, só se sente.
Que esse amor seja o teu acalento secreto, viajando eternamente no centro do teu ser.
Que a estrada se abra à sua frente.
Que o vento sopre levemente às suas costas.
Que o sol brilhe morno e suave em sua face.
Que respondas ao chamado do teu Dom e encontre a coragem para seguir-lhe o caminho.
Que a chama da raiva te liberte da falsidade.
Que o ardor do coração mantenha a tua presença flamejante e que a ansiedade jamais te ronde.
Que a tua dignidade exterior reflita uma dignidade interior da alma.
Que tenhas vagar para celebrar os milagres silenciosos que não buscam atenção.
Que sejas consolado na simetria secreta da tua alma.
Que sintas cada dia como uma dádiva sagrada tecida em torno do cerne do assombro.
Que a chuva caía de mansinho em seus campos…
E, até que nos encontremos de novo…
Que a FORÇA DE ATRAÇÃO lhe guardem na palma de Suas mãos.
Que despertes para o mistério de estar aqui e compreendas a silenciosa imensidão da tua presença.
Que tenhas alegria e paz no templo dos teus sentidos.
Que recebas grande encorajamento quando novas fronteiras acenam.
Que este amor transforme os teus dramas em luz, a tua tristeza em celebração, e os teus passos cansados em alegres passos de dança renovadora.
Que jamais, em tempo algum, tu esqueças da Presença que está em ti e em todos os seres.
Que o teu viver seja pleno de Paz e Luz!”
Que cada um possa refletir seriamente na mensagem desse artigo...
Visite minha página, curta e convide seus amigos para curtirem...

21 de dez de 2015

Não sou obrigada a nada

Nenhum comentário:

"Você não é obrigado a nada. Você não precisa casar, nem ter filhos, se nunca desejou. Nem fazer compras em Miami. Não precisa ter aquela bolsa marrom, não precisa ter carro, nem amar bicicletas, não precisa meditar.
Só precisa ter cachorro se quiser. Entender de vinho: não precisa. Barco, casa no campo, Rolex, ereção toda vez, cozinha gourmet, perfil no Instagram... Não precisa. Você não é obrigado a gostar de carnaval, nem de samba, nem de forró, nem de jazz.
Você não é obrigado a ser extrovertido. Não precisa gostar de praia. Nem de sexo você é obrigado a gostar. Balada, barzinho, cinema. Missa no domingo. Reunião de família. Não, você não é um ET se não estiver afim.
Acordar cedo, fazer exercício, conhecer os clássicos, assistir os filmes do Oscar, a banda de garagem que ninguém conhece. Você também não precisa conhecer. Paris, Nova York, Londres...
Gosta muito de viajar? Não? Então não vá! Tá sem namorado? Alguém vai dizer que você não é feliz por isso. E é mentira. Seu cabelo não precisa ser alisado. Nem você vai ser muito mais feliz se for magro ou magra. Também não precisa gostar de comer.
Peça curinga no guarda roupa, perfume francês, dentadura perfeita, curriculum vitae, escapulário. Sucesso. Não, você não precisa dele. Se for para ser obrigado, nem feliz você precisa ser." (autoria desconhecida ou de Nelson Barros - a confirmar)
Via: Mon Liu


20 de dez de 2015

Conhecer a si mesmo é muito elementar

Nenhum comentário:

"Conhecer a si mesmo é muito elementar. Não é difícil. Não pode ser difícil. Você tem apenas que desaprender os modos. Você não precisa aprender coisa alguma para saber quem você é; você tem apenas que desaprender algumas coisas.
Primeiro, você tem que desaprender a se preocupar com as coisas; segundo, você tem que desaprender a se preocupar com os pensamentos; e a terceira coisa acontece por si mesma – é o testemunhar.
Deixe-me dizer isso de outra maneira... Essas são as três coisas em sua vida. Na borda mais externa, estão as coisas, o mundo, o que o povo Zen chama de ‘o mundo das dez mil coisas’. Na borda mais externa, na periferia, na circunferência, estão as coisas, milhões de coisas. Em seguida, entre o centro e a circunferência estão os pensamentos, os desejos, os sonhos, as memórias, as imaginações – a mente. Se o mundo é chamado de ‘o mundo das dez mil coisas’, a mente deveria ser chamada de ‘o mundo dos dez milhões de pensamentos’.
E a chave é: primeiro você começa a observar as coisas. Sentado silenciosamente, olhe para uma árvore; seja apenas observador, não pense sobre isso. Não diga: ‘que tipo de árvore é essa?’ Não diga se ela é bonita ou feia. Não diga: ‘está verde ou seca’. Não formule nenhum pensamento que possa agitar-se a respeito, apenas continue olhando para a árvore – é isso que os meditadores têm feito há séculos. Eles escolhiam uma coisa – talvez uma pequena chama de uma vela – e sentavam-se silenciosamente olhando para ela. O que eles estavam fazendo? A chama nada tem a ver com meditação, é apenas um recurso. Eles estavam tentando uma coisa – continuar olhando para a chama até chegar a um ponto em que nenhum pensamento surgisse a respeito da vela. A chama está ali, você está aí e nenhum pensamento surge. 
Você pode fazer isso em qualquer lugar, observando qualquer coisa. Apenas lembre-se de uma coisa – quando o pensamento vier, coloque-o de lado, empurre-o para o lado. E novamente, continue olhando para a coisa. No começo será difícil, mas depois de um tempo, intervalos começam a acontecer. Haverá momentos em que você estará olhando para a árvore e não haverá nenhum pensamento – você encontrará grande alegria surgindo dessa simples experiência. Nada aconteceu, apenas os pensamentos não estão ali, a árvore está ali e você está aí, e entre os dois espaços – um espaço não tumultuado com pensamentos. De repente, surge uma grande alegria, sem qualquer razão visível, sem razão alguma. Você aprendeu o primeiro segredo.


(Osho)


19 de dez de 2015

AME COMO UM IMPERADOR NÃO COMO UM MENDIGO

Nenhum comentário:

AME COMO UM IMPERADOR NÃO COMO UM MENDIGO
Amar e Necessitar De Amor São Duas Coisas Diferentes
“Preencha a sua vida com amor. Mas você dirá: ‘Nós sempre amamos’. E eu lhe digo que você raramente ama. Você pode estar ansiando por amor... e há uma vasta diferença entre os dois. Amar e necessitar de amor são duas coisas muito diferentes. A maioria de nós permanece como crianças toda a nossa vida porque todos estão procurando amor. O amar é uma coisa muito misteriosa: o ansiar por amor é uma coisa muito infantil. Crianças pequenas querem amor; quando a mãe lhes dá amor elas crescem. Elas também querem o amor dos outros e a família as ama. Então quando ficam mais velhas, se são maridos, querem amor de suas esposas; se são esposas, querem amor de seus maridos.
E qualquer um que quer amor sofre, porque o amor não pode ser pedido; o amor só pode ser dado. No querer não há certeza de que você o receberá. E se a pessoa de quem espera receber amor também espera recebê-lo de você, isso é um problema. Será como dois mendigos se encontrando e mendigando juntos. Em todo o mundo existem problemas maritais entre maridos e mulheres, e a única razão é que ambos esperam amor um do outro, mas são incapazes de dar amor.
Pense um pouco sobre isso – sua constante necessidade de amor. Você quer que alguém o ame, e se alguém o ama você se sente bem. Mas o que não sabe é que o outro o ama somente porque ele quer que você o ame. É exatamente como alguém jogando isca para peixe: ele não joga a isca para o peixe comer; a joga para fisgar o peixe. Não quer dar a isca para o peixe, somente o faz porque quer o peixe. Todas as pessoas que você vê amando ao seu redor estão somente jogando iscas para ganhar amor. Elas jogarão a isca um tempo, até que outra pessoa comece a sentir que há a possibilidade de ganhar amor desta pessoa. Daí ela também começa a demonstrar algum amor, até finalmente eles compreenderem que ambos são mendigos. Cometeram um engano: cada um pensou que o outro fosse um imperador. E com o tempo, cada um percebe que não está conseguindo nenhum amor do outro, e é quando a fricção começa.”
Osho


DEPOIS DAS NAÇÕES, a segunda maior doença são.....

Nenhum comentário:

DEPOIS DAS NAÇÕES, a segunda maior doença são as religiões, porque elas estiveram lutando, estiveram matando e por razões, nas quais ninguém está interessado.
O Cristianismo foi a primeira religião a criar na mente das pessoas a idéia de que uma guerra pode ser religiosa. E os Maometanos e outras religiões imitaram, trucidando uns aos outros em nome de Deus.
Eu digo que, a guerra é irreligiosa. Não pode existir nada como uma cruzada, uma jihad, uma guerra santa! Se você chama uma guerra de "santa" então o que resta para ser chamado de não santo?
Quem está interessado em Deus a não ser os sacerdotes?
Nunca encontrei um homem que estivesse realmente interessado em Deus. Se você oferecer a ele cinco dólares em uma mão e Deus na outra, ele irá pegar os cinco dólares e dizer: "Deus é eterno, mais tarde veremos. No momento, cinco dólares ajudarão.”
Mas os sacerdotes estão interessados porque Deus é o seu negócio e eles querem que o negócio deles se espalhe.
As religiões destruíram a integridade do homem.
Elas o dividiram - não somente em partes, mas em partes opostas e estas partes estão continuamente lutando umas contra as outras. Dessa maneira eles tornaram a humanidade esquizofrênica; eles deram a todos uma personalidade dividida. Isso foi feito de uma maneira muito esperta e inteligente, condenando seu corpo, seu sexo - colocando você contra sua própria natureza.
Todas as religiões estão contra tudo aquilo que alegra o homem. É o interesse investido deles manter o homem miserável, de destruir toda possibilidade dele encontrar paz, alegria e preenchimento - de encontrar o paraíso aqui|agora.
A miséria do homem é absolutamente necessária para que o "outro mundo" exista. Por exemplo, se o seu sexo for satisfeito, você não precisa de Deus, porque sua vida está preenchida. Mas se o seu sexo for condenado, reprimido, destruído, se você se sentir culpado quanto a isso - Assim Deus continuará vivendo para sempre. A energia de Deus deriva de seu suicídio!"



18 de dez de 2015

Quem são os Pirahã? Tribo Desconvertendo o Missionário!

Nenhum comentário:

Os pirarrãs (também chamados de piraãs, pirahãs ou mura-pirahãs) são um povo indígena brasileiro de caçadores-coletores, que se destacam de outras tribos pela diferença linguística e cultural. Hiaitsiihi é a auto-denominação do grupo, significando um dos seres ibiisi ("corpos") que habitam uma das muitas camadas que compõem ocosmos. Eles habitam um trecho das terras cortadas pelo Rio Marmelos e quase toda a extensão do Rio Maici, no município de Humaitá, estado brasileiro do Amazonas.[2] Os pirarrãs concebem o tempo como uma alternância entre duas estações bem marcadas, definidas pela quantidade de água que cada uma possui: piaiisi (época da seca) epiaisai (época da chuva). Segundo a Funasa, em 2010, a população pirarrã era de aproximadamente 420 pessoas.
Apaitsiiso ("aquilo que sai da cabeça") é como os pirahãs se referem à sua língua, o pirarrã, classificada como pertencente à família Mura.
Uma característica curiosa dessa tribo é o fato de seus membros não acreditarem em nada que eles não possam ver, sentir ou que não possa ser provado ou presenciado. Por esse motivo a tribo não acredita em espírito supremo ou divindade criadora, apenas em espíritos menores que às vezes tomam a forma de coisas no ambiente (devido a experiência pessoal de cada indivíduo), e que a terra e o céu sempre existiram, ninguém os criou.

Esforços já foram feitos para convertê-los ao cristianismo, talvez o mais relevante seja o do missionário Daniel Everett que nos anos 70 tentou evangelizar a tribo. Sem sucesso, escreveu um livro em que descreve sua cultura. Segundo ele, os indígenas perderam o interesse em Jesus quando descobriram que Everett nunca o viu de fato. Seu constante contacto com este tipo de pensamento acabou transformando Everett em ateu.
Devido a característica única de sua língua, os Pirahã não conseguem entender conceitos que outras culturas desenvolveram como o cálculo. Sua denominação numérica não vai além do número três: eles usam palavras genéricas e relativas como "poucos" e "muitos" para quantificar as coisas. É possível ensiná-los, mas devido à pouca ou nenhuma utilização desses conceitos em sua cultura eles nunca chegam a desenvolvê-los.


----------------------------//---------------------------------

Por Renato Brito

Um determinado missionário foi para tribo Pirahã para convertê-los, porém "Deus" usou os Pirahã para desconverter o missionário....kkkk

Bom brincadeiras a parte.....a verdade é bem essa.....
.....é por essas e outras razões é que os índios sempre foram alvo de extermínio, porque alí estavam diante de nós e do mundo....uma livre "civilização" altamente evoluída e que tinha e muito a nos ensinar de que a vida existe não sob ordens de crendices tolas e paranoicas de que as pessoas precisassem em ter ou garantir um "céu" para escapar do tal "inferno", e fazer de um deus iracundo a ser torna manso desde que você cegamente o obedeça e o ame para que o inferno não engula você. 

Mas essas tribos não tinham um "céu" para ser conquistada, mas sendo eles mesmos como céu a ser vivida aqui mesmo na terra. Porque o céu não está aqui ou a colá, mas sim, você mesma experienciando esse paraíso na sua essência de ser e viver, dando liberdade de fluxo total do que emana em você, porque você é o seu próprio deus co-criador de todas as coisas existentes nesse universo chamado VOCÊ (DEUS). 

Então essa do dia do "índio" é pura idiotização implantada nos zumbis da tecnóloga civilização ocidental, para camuflar as atrocidades inquisitória da oligarquia religiosa mundial, que fizeram diante desse povo que de fato seriam um dos maiores e verdadeiros "missionários" em prol da vida em total liberdade para o bem estar total do ser humano apresentada pelos grandes nativos mestres.


Veja o vídeo 



17 de dez de 2015

A Criação imperfeita Cosmos, Vida e Código Oculta da Natureza

Nenhum comentário:
Existiria uma ordem racional por trás de todas as coisas, baseada em simetrias matemáticas? Buscando compreender e responder a essa questão, o físico Marcelo Gleiser, indagou em sua palestra “mas será isso o que a Natureza está nos dizendo? Será que temos evidência de que a Natureza seja mesmo simétrica, de que existe uma ordem fundamental por trás da incrível diversidade que vemos no mundo?" A palestra foi baseada em seu livro Criação Imperfeita, editado pela Record.

Participantes:
Marcelo Gleiser (Dartmouth College, EUA)
Laerte Sodré Jr. (IAG-USP)
Carlos Henrique de Mesquita (Ipen e IEA)

Organização:
IEA Instituto de Estudos Avançados

Marcelo Gleiser é um físico teórico e autor de renome mundial, divulgador líder de ciência. Atualmente é professor de física e astronomia.

Interesses de pesquisa atuais da Gleiser incluem a física do Universo primitivo, a natureza da complexidade física e questões relacionadas com a origem da vida na Terra e em outros lugares do Universo. Ele contribuiu com idéias seminais na interface entre física de partículas e cosmologia, em particular sobre a dinâmica de transições de fase e quebra espontânea de simetria. 

Ele também é o co-descobridor de "oscillons," configurações de campo de longa duração dependentes do tempo que estão presentes em muitos sistemas físicos de cosmologia de grãos de vibração. 

Autor de mais de cem artigos em revistas peer-reviewed, Gleiser também publicou quatro livros de ciência popular em os EUA: "A Ilha do Conhecimento" (2014), Um rasgo na borda da Criação (2010), O Profeta eo astrónomo (2002), e The Dancing Universe (1997/2005) . "Um rasgo na borda da Criação", foi publicado em 12 idiomas. Seus livros oferecem uma ampla visão exclusivamente cultural da ciência e sua relação com a religião e filosofia. "O Profeta eo astrónomo" e "The Dancing Universe" ganhou o Prêmio Jabuti de melhor não-ficção no Brasil.







16 de dez de 2015

Big Bang à vida inteligente - as quatro eras da astrobiologia

Nenhum comentário:
O físico Marcelo Gleiser ministrou, dia 23 de outubro de 2013, a conferência "O homem e os caminhos da ciência", no auditório Dois Candangos da Universidade de Brasília (UnB).





15 de dez de 2015

Sobre OVNIS e o Universo - Marcelo Gleiser

Nenhum comentário:

Sobre OVNIS e o UniversoOBS.: ETs, neste contexto, não significa vidas em outros planetas.Em 1859, quando Charles...
Posted by Liberte Sua Mente on Terça, 15 de dezembro de 2015

Para você que se sente 'inútil' na vida.

Nenhum comentário:

Geralmente medimos a importância do que fazemos com base no reconhecimento financeiro que proporciona. Mas será que é só isso? Pensar assim não pode reduzir nossas perspectivas de ver? De ser?





14 de dez de 2015

O dia em que a lua saberá quem somos

Nenhum comentário:

"Transcenderemos nossa insignificância porque não há como mensurar a extensão de um ser que deixou de ser um homem ou uma mulher e virou abrigo da lua, casa do sol, habitação de oceanos, irmão de planetas, do tamanho do universo, ente de dimensões que a mente nem sabe, mas que existe aqui dentro."





Prosperidade

Nenhum comentário:

PROSPERIDADE

Muitos sábios orientais do passado foram contra o dinheiro. Você, ao contrário, não é. Poderia, por favor, comentar?
Eu não sou contra o dinheiro, sou contra a propensão ao dinheiro. Não sou contra as posses, sou contra a possessividade. E essas são dimensões totalmente diferentes, diametralmente opostas.

Ser contra o dinheiro é estúpido. O dinheiro é um meio muito belo, um meio de intercâmbio. Sem ele não pode haver uma cultura evoluída, sociedade ou civilização.

Apenas imagine que o dinheiro desapareceu do mundo. Então tudo o que é confortável, tudo aquilo que lhe dá conforto desaparecerá com ele. As pessoas serão reduzidas a uma profunda pobreza.
O dinheiro tem prestado uma tremenda ajuda; e é preciso apreciá-lo. Assim, não sou contra o dinheiro, mas certamente sou contra a propensão ao dinheiro, e as pessoas não fazem essa distinção. Todo o passado humano viveu em confusão.
Renuncie à propensão ao dinheiro, mas não há necessidade de renunciar ao dinheiro em si. O dinheiro tem de ser criado, a prosperidade tem de ser criada.
Sem a prosperidade, toda a ciência desaparecerá, toda a tecnologia desaparecerá, todas as grandes conquistas do homem desaparecerão. O homem não será capaz de atingir a lua, o homem não será capaz de voar.
Sem o dinheiro, a vida se estagnará, exatamente como sem a linguagem toda arte, toda literatura, toda poesia, toda música desaparecerão. Exatamente como a linguagem o ajuda a trocar pensamentos, a se comunicar, o dinheiro o ajuda a trocar coisas; também é uma forma de comunicação.
Mas as pessoas com uma mente propensa ao dinheiro se apegam a ele; destroem toda a sua finalidade. Sua finalidade é passar de uma mão a outra. É por isso que é chamado de moeda corrente: tem de permanecer como uma corrente, movendo-se. Quanto mais se move, melhor; mais rica se torna a sociedade.
Se eu tiver apenas uma rupia e ela correr e passar por cinco mil sannyasins, então uma rupia se tornará cinco mil rupias. Quanto mais se move, mais dinheiro é criado. Funciona como se existissem cinco mil rupias - apenas uma rupia!
Mas a pessoa propensa ao dinheiro agarra-se a ele; interrompe a corrente. Ela o segura, apega-se a ele, não o usa.

Osho, em "Dinheiro, Trabalho, Espiritualidade"


MEDO DE MUDANÇA

Nenhum comentário:

MEDO DE MUDANÇA
Me sinto só, o que é bom, mas estou confuso. Não sei o que está acontecendo. As coisas estão mudando por dentro de mim, então às vezes, fico assustado, às vezes há um sentimento flutuante.
Isso é natural. Sempre que você se sentir assustado, apenas relaxe. Aceite o fato de que o medo está lá, mas não faça nada com ele. Ignore-o, não lhe dê atenção. Observe o corpo. Não devia haver nenhuma tensão nele. Se não houver nenhuma tensão no corpo, o medo desaparece automaticamente. O medo cria um certo estado de tensão no corpo, para ficar enraizado nele. Se o corpo estiver relaxado, medo está fadado a desaparecer. Uma pessoa relaxada não pode ser medrosa. Você não pode assustar uma pessoa relaxada. Mesmo que surja o medo, ele virá como uma onda... Não criará raízes.
O medo chegando e indo como ondas e você permanecendo intocado por ele, é belo. Quando ele cria raízes em você e começa a crescer em você, então se torna um crescimento, um crescimento canceroso. Assim deforma seu organismo interior.
Portanto, sempre que você se sentir temeroso, uma coisa para olhar é que o corpo não deve ficar tenso. Deite-se no chão e relaxe – relaxamento é o antídoto para o medo – e ele irá chegar e passar. Você simplesmente observa.
Esse observar não deve ser de interesse – indiferente. A pessoa apenas aceita que está ok. O dia está quente, o que você pode fazer? O corpo está transpirando... É preciso passar por isso. A noite está próxima e uma brisa fresca estará soprando... Então apenas observe isso e fique relaxado.
Uma vez que você pega o jeito disso e você logo terá isso – que se você está relaxado, o medo não pode grudar em você, ele vem e passa e lhe deixa tranqüilo – assim você tem a chave. E ele virá. Ele virá porque quanto mais mudamos, mais medo virá.
Toda mudança gera medo, porque toda mudança está lhe pondo no desconhecido, num mundo estranho. Se nada mudar e tudo permanecer estático, você nunca terá medo algum. Isso significa, se tudo estiver morto, você não ficará amedrontado.
Por exemplo, você está sentado e existe uma rocha ao lado. Não há nenhum problema: você olha para a rocha e está tudo bem. De repente a rocha começa a se mover; você fica assustado. Vivo! Movimento gera medo; e se tudo estiver parado, não há nenhum medo.
Eis porque pessoas, com medo de cair em situações temerosas, arranjam uma vida sem mudanças. Tudo permanece na mesma e a pessoa segue uma rotina morta, Completamente esquecida de que a vida é um fluxo. Ela permanece numa ilha própria onde nada muda. A mesma sala, as mesmas fotografias, a mesma mobília, a mesma casa, os mesmos hábitos, as mesmas camas – tudo na mesma. O mesmo maço de cigarros; você não gostará nem mesmo de uma marca diferente. Entre isso, no meio dessa mesmice, a pessoa se sente à vontade.
As pessoas vivem quase que em seus túmulos. O que você chama de uma vida conveniente e confortável não é nada senão um túmulo disfarçado. Então quando você começa a mudar, quando você começa na jornada do espaço interior, quando você se torna um astronauta do espaço interior, e tudo está mudando tão ligeiro, cada momento tremendo de medo. Desse modo, mais e mais medo precisa ser enfrentado.
Deixe o medo estar lá. Pouco a pouco você começará a desfrutar tanto das mudanças que você estará preparado a qualquer custo. Mudanças irão lhe dar vitalidade... Mais vivacidade, alegria, energia. Então você não será como um poço – encerrado por todos os lados, estático. Você se tornará como um rio correndo em direção ao desconhecido, em direção ao oceano onde desaparece.

Osho, Be Realistic: Plan for a Miracle


13 de dez de 2015

COMPREENDA O MEDO

Nenhum comentário:

COMPREENDA O MEDO
Osho, você disse que a pessoa que tem medo, não pode amar, nem pode chegar ao estado de deus.
Mas como a pessoa vai fazer para sair desse medo?
Por que você quer sair do medo? Ou você ficou com medo do medo? Se você tem medo do medo, isto é um novo medo. É assim que a mente vai criando o mesmo padrão sempre, repetidamente. Eu digo: “Não deseje e então você chegará ao divino.”. Então, você pergunta: “Realmente, se não desejarmos, então, chegaremos ao divino?” - você já começou a desejar o divino.
Eu lhe digo “se há medo, o amor não pode existir”, então, você fica com medo do medo. Você pergunta: “Como a pessoa pode sair do medo?”. Isto é novamente um medo, e mais perigoso do que o primeiro medo, porque o primeiro era natural; o segundo é antinatural. E é tao sutil, que você não percebe o que está perguntando – como sair do medo?
A questão não é sair de nada: a questão é somente de compreensão. Compreenda o medo, o que ele é, e não tente sair dele, porque, no momento em que você começa a tentar sair de qualquer coisa, você não está pronto para compreender aquilo – porque a mente que pensa sair, já está fechada. Ela não está aberta para compreender, ela não é solidária. Ela não pode contemplar quietamente; ela já decidiu. Agora o medo se tornou o mal, o pecado, então saia dele.
Não tente sair de nada.
Tente compreender o que o medo é. E, se você tem medo, então, aceite-o. Ele existe. Não tente escondê-lo. Não tente criar o oposto. Se você tem medo, então você tem medo. Aceito isso como parte do seu ser. Se você puder aceitá-lo, ele já desapareceu. Através da aceitação, o medo desaparece: através da negação, ele aumenta.
Você chega a um ponto onde você sabe que tem medo, e você compreende o seguinte: “Por causa deste medo, o amor não pode acontecer a mim. Então, tudo bem, o que eu posso fazer? O medo existe, então, somente uma coisa acontecerá – eu não fingirei amor. Ou, eu direi à minha amada ou ao meu amado, que “é por causa do medo que eu me estou me agarrando a você”. Lá no fundo estou com medo. Serei franco quanto a isso; não mais enganarei ninguém, nem a mim mesmo. Eu não fingirei que isto é amor. Eu direi que é simplesmente medo. Por causa do medo, eu me agarro a você. Por causa do medo, eu vou ao templo, ou à igreja, e oro. Por causa do medo, eu me lembro de Deus. Mas, então, eu sei que aquilo não é oração, aquilo não é amor, aquilo é somente medo. Eu tenho medo, então, seja o que for que eu faça, ele está presente. Aceitarei esta verdade.”.
Um milagre acontece quando você aceita a verdade. A própria aceitação o transforma. Quando você sabe que há medo em seu ser e você não pode fazer nada sobre isso, o que você pode fazer? Tudo que você pode fazer é fingir, e os fingimentos podem ir ao extremo, ao outro extremo.
Um homem muito medroso pode ser tornar um homem muito bravo. Ele pode criar uma armadura ao seu redor. Ele pode se tornar um atrevido temerário, só para mostrar aos outros que ele não tem medo. E, se ele puder enfrentar o perigo, ele pode se enganar que não tem medo. Mas até um homem mais corajoso tem medo. Toda a sua bravura está apenas em derredor; lá no fundo, ele treme. Para não ficar ciente disso, ele salta para dentro do perigo. Ele se torna engajado com o perigo, de modo a não ter consciência do medo, mas o medo está presente.
Você pode criar o oposto, mas isso não vai mudar nada. Você pode fingir que não tem medo – isso, novamente, não muda nada. A única transformação que pode acontecer é você tornar-se simplesmente ciente de que: “Eu tenho medo. Todo meu ser está tremendo e, seja o que for que eu faça, é devido ao medo.”. Você se tornou verdadeiro para si mesmo.
Então, você não tem medo do medo. Ele está presente, é uma parte sua; nada pode ser feito sobre isso. Você tem de aceitá-lo. Agora você não finge, agora você não engana ninguém, nem a si mesmo. A verdade está aí, e você não tem medo dela. O medo começa a desaparecer, porque uma pessoa que não tem medo de aceitar seu medo, tornou-se destemida – esse é o mais profundo destemor que é possível. Ela não criou o oposto, então, não há nenhuma dualidade nela. Ela aceitou o fato. Ela ficou humilde diante disso. Ela não sabe o que fazer – ninguém sabe – e nada pode ser feito, mas ela parou de fingir: parou de usar máscaras, faces. Ela se tornou autêntica em seu medo.
Essa autenticidade e esse destemor para aceitar a verdade, transforma-o. E, quando você não finge, não cria um falso amor, não cria uma ilusão ao seu redor, não se torna uma pessoa de mentira, você se tornou autêntico. Nesta autenticidade, o amor surge: o medo desaparece, o amor surge. Esta é a alquimia interna de como o amor surge.
Agora, você pode amar. Agora, você pode ter compaixão, solidariedade. Agora, você não depende de ninguém, porque não há nenhuma necessidade. Você aceitou a verdade. Não há nenhuma necessidade de depender de ninguém; não há necessidade de possuir e ser possuído. Não há nenhum anseio pelo outro. Você se aceita – através desta aceitação, o amor surge. Ele preenche seu ser. Você não tem medo do medo, você não está tentando se livrar dele. Simplesmente ele desaparece quando aceito.
Aceite seu ser autêntico e você será transformado. Lembre-se disto: aceitabilidade, total aceitabilidade, é a chave mais secreta do tantra. Não rejeite nada. Através da rejeição, você ficará aleijado. Aceite tudo – seja o que for. Não condene isso, e não tente escapar disso.
Há muitas coisas implicadas nisso. Se você tentar se livrar disso, você terá de cortar seu ser em departamentos, em fragmentos, em partes. Você ficará aleijado. Quando você joga fora uma coisa, alguma outra coisa também é jogada fora com ela – a outra parte dela – e você fica aleijado. Então, você não é total. E você não pode ser feliz, a menos que seja total e íntegro. Ser íntegro é ser santo. Ser fragmentado é ser incompleto e enfermo.
Assim, eu direi: tente compreender o medo. A existência deu-o a você. Deve haver algum significado profundo, e deve haver algum tesouro escondido, então, não o jogue fora. Nada lhe é dado sem algum significado. Nada existe dentro de você que não possa ser usado numa sinfonia mais elevada, numa síntese mais elevada.
Tudo o que existe em você, quer você compreenda ou não, pode se tornar um degrau. Não pense nisso como uma barreira: permita que se torne um degrau. Você pode tomá-lo como algo que impede a caminhada – não é impedimento. Se você puder andar sobre isso, se você puder usá-lo, firmar-se sobre isso, uma nova visão do caminho lhe será revelada num nível mais elevado. Você será capaz de olhar fundo na possibilidade, no futuro, na potencialidade.
(...)
Mas, se você tentar esconder o medo, destruí-lo, criar o oposto dele, você ficará divido e se tornará fragmentado, desintegrado. Aceite o medo e use-o. E, no momento em que você sabe que você o aceitou, ele desaparece. Tente pensar: se você aceita seu medo, onde ele está?
Um homem veio a mim e disse: “Eu tenho muito medo da morte.”. Ele tinha câncer, e a morte estava perto; a qualquer dia, ela podia acontecer. E ele não podia adiá-la. Ele sabia que ela ia acontecer. Dentro de meses, ela estaria ali – ou até mesmo dentro de semanas.
Ele estava verdadeiramente, físicamente e literalmente tremendo. Ele disse: “Me dê apenas uma coisa: como eu posso sair deste medo da morte? Me dê um mantra, ou alguma coisa que possa me proteger e me dê coragem para encarar a morte. Eu não quero morrer tremendo de medo.”. O homem disse: “Eu já estive em muitos santos. Eles me deram muitas coisas. Eles foram muito gentis. Um me deu um mantra, outro me deu umas cinzas sagradas, outro me deu seu retrato, alguém me deu alguma outra coisa, mas nada ajudou. Tudo em vão. Agora, eu vim até você como o último recurso. Agora não irei a mais ninguém. Dê-me alguma coisa.
Então, eu lhe disse: “Contudo, você não percebe. Por que você está pedindo algo? – só para sair do medo? Nada ajudará. Eu não posso lhe dar nada. Ademais, como os outros se provaram fracassos, eu também me provarei um fracasso. E eles deram-lhe algo porque não sabiam o que estavam fazendo. Eu só posso dizer uma coisa para você: aceite o fato. Trema, se tremer estiver presente – o que fazer? A morte existe, e você sente um tremor; então, trema. Não rejeite isso, não reprima. Não tente ser valente. Não há nenhuma necessidade. A morte existe. Ela é natural. Fique totalmente com medo.”.
Ele disse: “O que você está dizendo? Você não me deu nada. Ao invés, ao contrário, você diz para aceitar!”.
Eu disse: “Sim, aceite. Simplesmente vá e morra pacificamente com total aceitação.”.
Depois de três ou quatro dias ele voltou novamente, e disse: “Funciona. Eu não pude dormir por tantos dias, mas durante esses quatro dias eu dormi profundamente, porque é isso mesmo, você está certo. Ele me disse: “Você está certo. O medo existe, a morte existe, nada pode ser feito. Todos os mantras são apenas truques – nada pode ser feito.”.
Nenhum médico pode ajudar, nenhum santo pode ajudar. A morte existe, é um fato, e você está tremendo. É natural. Uma tempestade chega e todas as árvores tremem. Elas nunca vão a nenhum santo para perguntar como não tremer quando a tempestade está passando por elas. Elas nunca vão pedir um mantra para mudar isso, para protegê-las. Ela treme. É natural; é assim.
E o homem disse: “Mas aconteceu um milagre. Agora, eu não estou com tanto medo.”.
Se você aceita, o medo começa a desaparecer. Se você rejeita, resiste, luta, você dá energia para o medo. Esse homem morreu pacificamente, destemido, sem medo, porque ele pôde aceitar o medo. Aceite o medo e ele desaparece.

Osho, The Book of the Secrets, V2, # 60
(via Osho Sukul )


Postagens Relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...