21 de jul de 2015

Thomaz Edison, o inventor dos discos de vinil.

Sua Origem
Thomaz Edison fez a primeira máquina de repetir palavras ditadas por ele em dezembro de 1877. Suas primeiras patentes datam de 1878 e incluem descrições do famoso fonógrafo de cilindro de papel alumínio e seu irmão menos conhecido, um fonógrafo de disco de papel alumínio. Alguns fonógrafos de disco foram fabricados e demonstrados em 1878, mas, infelizmente, nenhum parece ter sobrado. Para o fim de 1878, Edison voltou sua atenção para sistemas de iluminação elétrica. Enquanto isso, em 1886, Bell e Tainter adotaram o formato cilíndrico e produziram uma máquina de tubos permutáveis cobertos com cera. Este "Graphophone" estimulou uma irritação em Edison para aperfeiçoar seu fonógrafo de cilindro, o que foi demonstrado em 1888, e, portanto, foi definido o formato para a gravação ditada. Essas máquinas foram feitas para durar muitas décadas e tinha um formato popular para o entretenimento doméstico, cessando a produção somente em junho de 1929.


A sua adoção

A alta do cilindro popular foi de 1906 a 1907, e, embora o cilindro conservasse a gravação por muito mais anos, a gravação aceita foi sobre um disco. Os discos tinham uma capacidade de gravação de 4 minutos, em comparação com pouco mais de dois minutos nos cilindros. Uma maior variedade de música estava sendo lançada e mais gravadoras sendo criadas. Outros fatores foram envolvidos também. Em Janeiro de 1907, Edison solicitou uma patente para uma gravação de "material resistente duro" com um passo de 200 ranhuras por polegada, corte vertical, e lançou um cilindro para rivalizar com os discos. Edison chamou um excelente químico, Jonas W. Aylsworth, que se juntou a empresa em 1890, e desde sua aposentadoria, em 1903, trabalhou como consultor nos Laboratórios de Edison. A lenda diz que Aylsworth e Walter H. Miller, gerentes de Edison, viram a necessidade de um disco e começaram a trabalhar nele em segredo. Edison descobriu e decidiu assumir o comando, para desespero de todos. O trio criativo elaborou um disco, a partir de 1907, cujo som seria mais suave e claro do que o cilindro, de tom natural, indestrutível, tocado com um corte fino de diamante polido para se ajustar à ranhura em forma de U com precisão, e em todos os sentidos um disco superior a todos os outros no mercado.

Materiais e Fabricação

Naquela época, novos termoplásticos chamados resinas fenólicas estavam sendo muito discutidos no mundo químico. Aylsworth usou estes termoplásticos com serragem finíssima para fazer um disco plano, liso, em branco. A princípio, os sulcos gravados foram moldados em celuloide, que foi, em seguida, colado ao núcleo de cerragem finíssima. Os primeiros exemplares logo mostraram uma tendência para rachar ou enrolar nas bordas e descolar. Gradualmente, estes problemas foram superados ao ponto de ter um produto comercializável. Exemplares bem preservados desses primeiros discos são surpreendentemente bons. A partir de 1916, decidiu-se aplicar a resina fenólica com cal. Isso pode ter dado certo na hora, mas os poucos exemplares sobreviventes têm muito mais ruídos do que os anteriores. A principal fonte de produtos químicos necessários para estes discos foi a Alemanha, e com o deslocamento do comércio ocasionado pela Grande Guerra, Edison foi obrigado a produzir seus próprios produtos químicos. A qualidade foi variável porque a química rachava a borda do disco com o tempo. O problema foi agravado entre 1917 e 1920, quando a demanda estava em seu mais alto nível e os materiais estavam em falta. Os elementos em falta foram substituídos por quatro camadas de resina e tirar a impressão, mas a secagem foi mais longa para cada revestimento sucessivo e o tempo na imprensa era algo como 20 minutos. A tentativa de apressar as coisas gerou prensagens imperfeitas e superfícies ruidosas. Em 1921, o caulino foi adotado como o substituto para a cal. Em 1926, um derivado do petróleo resistente à água chamado BS foi utilizado e deu resultados muito bons, bem na hora em que o mercado de discos estava desaparecendo.

Gestação

O disco Edison foi concebido como um a parte do sistema completo de gravação e cada parte do mecanismo de reprodução completavam um todo. Desde o desenvolvimento do
material do disco, até o gravador amortecido o que permitiu um aumento da sensibilidade, livre de distorções; o desenho do motor, a seleção de armários para o reprodutor e materiais, para não mencionar muitas características foram introduzidas para evitar o confronto com os advogados de patentes de Victor, cada elemento foi desenvolvido no que diz respeito à produção do mais preciso reprodutor prático do som gravado.
O progresso foi lento. Até 1910, Edison vigorosamente negou ter quaisquer planos para um disco, mas mesmo assim foi em frente com os planos para a construção de um repertório de discos masters para uso futuro. Os motores de toca-discos padrão daquele tempo não eram poderosos o suficiente para lidar com a massa de 400 - 500 gramas do prato reprodutor e do chifre acústico, mesmo se a pressão da agulha foi de apenas 134 gramas e um mecanismo de passo de gravação adequado tinha que ser concebido. Uma máquina toca-discos Edison estava pendente foi lançada em julho 1911 na 5ª convenção anual da Associação Nacional dos fabricantes de máquinas falantes (Talking Machine), em Milwaukee, Wisconsin. Para desencorajar qualquer ataque de advogados de patentes de Victor contra a nova máquina, foi relatado que a máquina foi baseada na patente britânica que Edison fez em 1878. O fonógrafo de disco foi relatado ao mesmo tempo em um discurso do Presidente Dyer da Companhia Edison nesta convenção, no Edison
Fonógrafo Mensal de agosto de 1911. No entanto, não havia discos prontos para venda até o final de 1912 e, entretanto, os agentes de Victor não perderam tempo em reivindicar o projeto, tentando convencer o comércio de Edison para soltar sua linha em favor deles. O disco de Edison teve a qualidade questionada e foi colocado no final do mercado, e finalmente em 1913, havia um excelente variedade de máquinas e discos suficientes para o público começar comprar. A variedade de máquinas foi reduzida em 1915, após o incêndio da fábrica.

Dezembro 1914.

O fonógrafo de disco na Grã-Bretanha
A Grã-Bretanha importou, juntamente com a Austrália, os discos de Edison bastante caros. Haviam sido prometidos máquinas e discos para o mercado britânico para outubro de 1911, mas chegaram pouquíssimos só depois de 1913. Edison tinha as mãos cheias tentando manter-se com a demanda de seu mercado doméstico. O Talking Machine Northants Society parece ter sido o primeiro a lançar os novos discos em março 1913 e outros seguiram o exemplo. Não era de se esperar muitos exemplares dessa fábrica até 1915. Os discos foram recebidos favoravelmente, trazendo doces sensações para quem ouvia o som, embora não muito alto. O uso de máquinas e reprodutores que não fossem fabricados por Edison afetou o gosto musical. Havia uma desconfiança entre os entusiastas do cilindro que as últimas edições em cilindro azul eram regravações dos novos discos de Edison, e por isso, todas as importações não essenciais foram proibidas a partir de 27 de março de 1916.
A proibição foi aumentada em 1919, mas o fornecimento de discos e máquinas não chegariam em qualquer quantidade até o verão de 1920. Quando eles fizeram chegar, a guerra fiscal, o aumento geral de preços desde o início da guerra fez um disco de Edison custar três vezes o preço de um disco popular britânico. Havia poucos compradores para máquinas e discos.
Comentários nas revistas "Gramophone" e outros jornais desencorajavam a compra dos discos de Edison, tanto relatando o ruído de superfície quanto às músicas contidas neles, com exceção dos discos de dança que ganharam excelentes críticas. A questão da regravação de cilindros podia ser verificada. Cartas de protesto chegaram em grande número para Edison, mas não houve resposta e a empresa perdeu muitos pedidos personalizados. Alguns dos aparelhos vendidos, 1929 discos de corte fino e alguns de seus gravadores nunca chegaram às lojas inglesas. Jake Graham, de Liverpool, tinha sido o mais ferrenho dos concessionários Edison, mas em Fevereiro de 1928, ele vendeu-se, deixando apenas a London Provincial Phonograph Co. da União Road, Clapham para vender até 1936.

Os testes de tons

Comparações públicas entre os cantores originais e os seus discos em um palco foram surpreendentes. O público achou estar acontecendo um milagre. A partir do primeiro, o disco de Edison foi submetido à audição crítica. Victor e HMV convidaram o público a
ouvir a comparação dos seus discos com os cantores originais. HMV contratou o Albert Hall em 1907 para comparar o modelo de toca-discos com corda de ar comprimido "Auxetophone" com os cantores originais. O público ficou impressionado com a falta de ruído de superfície, o volume natural e a semelhança com o original. Edison fez comparações semelhantes, chamado os críticos, em 1913. Mas a partir de outubro 1915, começaram testes de tom reais, pela primeira vez na exposição Panamá-Pacífico, em San Francisco, em seguida, toda a Inglaterra. A empresa correu em conluio com traficantes de uma série de comparações encenadas onde o público foi desafiado a adivinhar qual estava cantando, ou, no caso de instrumentos, tocando. Relatos na imprensa, recolhidos por Edison, revelam que houve uma confusão generalizada. A máquina tocava durante todo o tempo e a cantora não cantou, mas mexeu-se os lábios sem que saísse voz. Dava para notar com as luzes acesas. Um padrão de laboratório "Chippendale" modelo 250 foi utilizado com discos sem dúvida dado um cuidado extra na prensagem. Mas outros sábios disseram que o único truque admitido pelos artistas, quando entrevistado por Jim Walsh para a revista "Passatempo" da década de 1930, foi que cantou no volume de ensaio em vez que do volume concerto e transmitiu uma ligeira qualidade nasal para o canto. É também fácil sugerir que as pessoas eram ingênuas e esperava menos do que nós agora. Eduardian, um correspondente do jornal "Talking Machine News", revelou que entusiastas que tinham as máquinas e os discos, nenhum quarto deles foram tão críticos como somos agora sobre a reprodução de seus discos. Os discos de Edson eram bons. Eles foram gravados em um estúdio amortecido não permitindo nenhum ruído ambiente. A maioria das gravações acústicas e das máquinas tinha um poder de execução surpreendente. Prensado cuidadosamente, os discos de Edison tinham sensibilidade suficiente para ouvir sussurros e um cantor respirando. Mesmo agora, depois de mais de cem anos, a qualidade tonal de alguns discos ouvido de uma sala ao lado é como uma voz real. Combine os méritos mecânicos com as expectativas do momento em uma fase escura; admirar as pessoas declararem a voz ser a do cantor ao vivo, quando na verdade ele já deixou o teatro!
O impacto destes testes era considerável e resultou em enormes vendas.

Testes de cortina e toca-discos

Testes de cortina envolvem dois toca-discos por trás de uma cortina e os ouvintes podem decidir qual tem o melhor som. O Amberola humble ₩ 50 participou de muitas destas competições. Foram testadas três máquinas de armário tocando exatamente no mesmo lugar, com a mesma música, para dar um teste justo do som. As máquinas rivais tinham de ser bem mantidas e operadas, regularmente inspecionadas pelas suas respectivas concessionárias. Embora as máquinas de disco fossem inventadas por Edison, tinha só um pouco menos ruído de superfície do que os discos de goma-laca, eles rotineiramente ganhavam em comparação com Victor, Brunswick e Columbia.
Os toca-discos foram expostos nos maiores teatros para permitir que cada máquina desse o melhor de si, e uma cortina escondia o instrumento que estava tocando. A natureza humana, sendo o que é, gerou acusações de trapaça e trouxe o descrédito.


Prosperar e falir

Os anos seguintes a Grande Guerra estavam cheios de alívio e otimismo. Para toda a miséria e carnificina, muitos tinham ganhado bem fazendo o trabalho de guerra e soldados voltaram para casa com o pagamento no bolso. O sol estava brilhando novamente e as pessoas gastaram grandes quantias de dinheiro em discos. Apesar de uma queda em 1921, o boom nos discos continuou até 1923, quando sentiram o impacto do rádio comercial nos Estados Unidos e o serviço público de radiodifusão na Europa. As vendas de discos despencaram nos Estados Unidos e a Companhia Edison passou a perder dinheiro em fazer discos a partir de então. A BBC foi tão maçante e digna, os ingleses continuaram a comprar discos! Edison reduziu os preços dos cilindros de 60 centavos ingleses para 35 centavos ingleses e perderam muitos comerciantes, o que resultou na venda de cilindros pelo correio direto da fábrica. Alguns dizem que os discos de Edison tinham músicas ruins e todos irremediavelmente devolviam. Não é inteiramente verdade. Charles Edison tinha elementos mais jovens no catálogo. Edison fez com que grande variedade de lançamentos frescos estivessem disponíveis, talvez não tanto como Columbia Victor ou Genet, mas certamente havia uma seleção representativa de tudo o que estava acontecendo. Uma notável exceção foi a falta de resposta aos conjuntos de álbuns de música de câmara, clássica, orquestral e óperas completas que algumas empresas estavam começando a lançar para os adolescentes. Talvez houvesse também a consideração prática do peso de um conjunto de álbum de oito a vinte discos de diamante!

Inovação

Os colecionadores dos discos de Edison e os entusiastas mais dedicados não poderiam reivindicar que Edison entrasse em inovação e desenvolvesse mais seus toca-discos na década de 1920. Ele foi finalmente obrigado a abandonar gravação acústica em 1927, dois anos após a maioria dos rivais. Ele sustentou que a gravação elétrica não pode ser alcançada sem distorção. Em certo sentido, ele estava certo, por causa da qualidade do ambiente das gravações, do microfone, e deve ser acrescentado que os últimos testes
de tom fracassaram com a introdução da nova tecnologia. Um feito notável lançado em 1926 foi o seu disco longplaying (LP) fabricado em vinil. Apenas cerca de 14 foram lançados, gravados e reproduzidos acusticamente por Edison. Surpreendia a quantidade de suas trilhas ultra-finas, 450 por polegada, comparadas com seus antecessores que tinham 250 sulcos. Considere os avanços técnicos no corte, galvanoplastia e prensagem de tais discos. Os anteriores rodavam de 78 a 80 rpm, um LP roda a 33 rpm. Um disco de 12 polegadas deu 20 minutos por lado, um disco de 10 polegadas, 15 minutos. Estes foram os long-play originais, genuínos, que foram promovidos como sendo capaz de fornecer "a suíte quebra nozes completa!" Eles não eram um grande sucesso, no entanto. As ranhuras são extremamente suscetíveis a danos do relativamente pesado reprodutor, o volume é modesto, as gravações são acústicas num momento em que os gravadores elétricos de outras empresas estavam inundando o mercado, e o pior de tudo, em vez de aproveitar o tempo de gravação para gravar longos trechos de música, eles fizeram meras coleções de relançamentos em 4 faixas por face dos anteriormente lançados em discos Edison. Este foi em parte devido à dificuldade de corte sustentado e disposição do cavacos.

Gravação elétrica

Apesar das opiniões reacionárias de Edison sobre o mérito de gravação elétrica, seus filhos Charles e Walter Miller conseguiram introduzir o novo método no verão de 1927 com grande efeito, embora mais de dois anos de atraso. Um ponto a ter em mente, no entanto, é que o grande avanço, que é de gravação elétrica, é mais aparente a nós com boa reprodução elétrica disponível, do que era para as pessoas que ainda usam Victrolas como o modelo de duas caixas de som ou de agulha de diamante que por vezes zumbiam mesmo com gravações acústicas de volume médio. No evento, discos Edison elétricos eram geralmente muito bons, lançados numa altura em que o mercado já não comportava. Victor teve seus novos gramofones "Orthophonic" para tocar os novos discos, os primeiros gramofones elétricos, alguns deles com rádio e até mesmo sistema de auto-mudança de disco, que deixaram os Edisons LPs para trás por algum tempo. A resposta de Edison às necessidades de seus discos elétricos era trazer um novo reprodutor com um contrapeso e uma mola anti-pulos que poderia tocar com maior amplitude sonora. Foi comercializado separadamente para trazer nova vida a fonógrafos velhos, ou em duas novas máquinas, Schubert e Beethoven "Edisonics". Estas máquinas tinham armários novos da moda e chifres mais longos, maiores. Usado com o novo disco elétrico cortado com agulha de diamante, surpreendentemente com bons resultados e pode-se sentir a presença da cantora. O som é semelhante às boas máquinas Columbia do tempo dos nossos velhos gramofones HMV.

O último suspiro

Em 1928, ele sentiu a necessidade de unir o fonógrafo com rádio. Este objetivo foi alcançado por parceria com a Companhia Elétrica Splitdorf-Belém da Newark. Em 14 de janeiro de 1929, Edison assumiu esta empresa e, assim, teve acesso a licenças para gravação elétrica e construção de um aparelho de rádio com qualidade. Três novos fonógrafos com rádio de luxo, o C1, C2 e C4 (com agulha de gravação) foram lançados, tendo uma engenhosa pick-up projetada por Charles Edison que poderia tocar tanto agulha de gravação quanto a agulha de reprodução, com não mais do que a inserção de uma agulha de aço quando um padrão 78rpm era para ser tocado. Sem agulha de aço, a tradicional agulha de diamante numa caneta em forma de L que, por padrão, estava pronto para uso. Se Edison tinha que ter uma despedida de seu fonógrafo, estes rádio-fonógrafos honraram seu gênio. Depois de ouvir um par de C2 em ação, o que posso dizer é que o rádio iria humilhar muitos receptores modernos, e a reprodução de discos, tanto acústico e elétrico, é surpreendentemente poderoso e limpo, de alguma forma traz tudo o que há de melhor numa gravação de 1920, sem qualquer rumor perceptível e só um mínimo assobio. No verão de 1929, os últimos amberols azuis foram lançados, (a lista para maio era lançada, que para junho, preparados, mas lançado apenas nas vendas de fim de Outubro do mesmo ano, e a lista para julho foi proposta, mas não produzida) e pelo que ao mesmo tempo, a heresia de todas as heresias, um disco de agulha de corte Edison era introduzida, juntamente com dois gramofones portáteis em vez ordinários fabricados para Edison pela Companhia Prime Fabricação de Milwaukee. A divisão fonográfica da empresa Edison tinha vindo enfrentando prejuízo na fabricação há alguns anos de 1929. Todas as indústrias foram transformadoras e cessou a fabricação de toca-discos em 28 de outubro de 1929, e a empresa voltou sua atenção para fabricação de rádios e componentes elétricos.




Um comentário:

  1. O nome do inventor é ThomaS Edison, e não Thomaz...afff

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, será muito legal...meu muito obrigado!! Volte Sempre!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
▲ Topo