5 de jun de 2015

Como civilizações antigas usavam cristais e pedras para cura

Hoje, entendemos que todas as coisas no universo são formas de energia com a sua própria frequência e vibração – incluindo cristais. Nikola Tesla declarou este conceito como a chave para a compreensão do universo e provou como certas formas de energia podem alterar a ressonância vibratória de outras formas de energia. É devido a este conceito que ainda hoje são usados cristais e pedras para alinhar, curar e alterar a vibração das células corporais, chacras (chakras), e corpos subtis por terapeutas holísticos.
Os antigos não tinham acesso à informação científica esclarecedora que temos hoje em dia sobre o poder curativo dos cristais. No entanto, as pessoas em todo o mundo pareciam ser atraídas instintivamente para estas gemas bonitas e possuírem uma compreensão mais profunda do seu valor e significado no grande esquema do universo.

Usos populares para cristais de cura em civilizações antigas

Como civilizações antigas usavam cristais e pedras para cura 2Minerais, pedras preciosas e cristais têm sido usados ​​há milénios para melhorar o equilíbrio emocional, físico e espiritual. Como os antigos sabiam, nós podemos nunca vir a saber com certeza, mas certamente que essas culturas consideravam as pedras como sendo um aspecto importante da sua existência.
Cultura romana: Talismãs e amuletos de cristal eram típicos entre romanos. Na maioria das vezes, eram considerados úteis na melhoria da saúde, atraindo coisas desejáveis, e para fornecer protecção em batalha.
Os antigos egípcios: Um dos maiores defensores históricos de cristais de cura, os egípcios enterravam os seus mortos com quartzos sobre a testa. Acreditava-se que servia para ajudar a orientar os espíritos dos mortos com segurança para a vida futura. Faraós carregavam cilindros cheios de quartzos para equilibrar as energias Ba e Ka do corpo. Fortemente associada à Deusa Isis, pedras Lápis-lazúli eram notavelmente mais usadas por senhoras da realeza – como a Cleópatra – sobre os olhos para promover a iluminação e consciência. Dançarinos usavam rubis nos seus umbigos para promover o seu sex appeal. Muitos usavam cristais sobre o coração para atrair o amor, e usavam coroas de cristais para estimular a iluminação e despertar o terceiro olho.
Cultura chinesa: A medicina chinesa comummente incorpora o uso de cristais de cura – incluindo agulhas com ponta de cristal usados ​​na acupunctura e sessões de cura prânicas. Essas tradições são oriundas de quase 5000 anos de prática.
Os gregos antigos: Hematita esmagada foi muitas vezes esfregada sobre os corpos dos soldados antes de entrarem em batalha com a ideia de que os tornava invencíveis. Curiosamente, pensa-se que a palavra ‘cristal’ é derivada da palavra grega ‘krustullos”- que significa “gelo”- e até 1500, muitos antigos acreditavam que pedras como cristais de quartzo claros eram gelo eterno enviado dos céus. A história mitológica de Ametista desempenha um papel vital na história do Deus Dionísio e da Deusa Diana, e a palavra é dita ser a tradução grega do “sóbrio” ou “não bêbado” – algo que Dionísio poderia ter passado mais tempo a ser.
Tradições na Índia: A medicina Ayurveda na Índia considera os cristais valiosos para a cura de desequilíbrios emocionais e metafísicos. O uso de vários cristais de cura está documentado nas páginas do Vedas hindus, que também faz referência a habilidades de cura específicas de cada pedra. Pensa-se que as safiras trazem astúcia, clareza e equilíbrio mental, e jaspe é pensado trazer harmonia, vitalidade sexual, e chacras de equilíbrio.
Crenças japoneses antigas: Vidência era uma prática comum na cultura japonesa, e é muito semelhante ao olhar para uma bola de cristal, algo que vemos alguns médiuns fazer hoje em dia. Cristais de esferas de quartzo eram considerados representativos do coração de um dragão e manifestavam o seu poder e sabedoria.

Como civilizações antigas usavam cristais e pedras para cura 3O que sabemos agora sobre a cura com cristais

Conceitos de electromagnetismo como comprovados por James Clerk Maxwell e a sua natureza interdependente, juntamente com os vários avanços na teoria quântica, deram-nos evidências científicas sobre o que os antigos sempre souberam. Como tudo vibra em determinadas frequências, eles têm a capacidade de mudança e alterar as frequências de outros objectos ou corpos quando eles ocupam o mesmo espaço.
Assim, um cristal – que vibra nas suas próprias oscilações de frequência – vibra dentro do nosso próprio campo de energia por meio da lei física de ressonância e cria um campo vibracional maior, afectando o sistema nervoso e transmitir a informação para o cérebro. Em essência, essas vibrações de ligação podem harmonizar frequências e estimular mudanças bioquímicas que afectam a saúde física de uma forma positiva – o processo de cura.
Fonte:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, será muito legal...meu muito obrigado!! Volte Sempre!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
▲ Topo