14 de mai de 2015

Os Cristãos segundo Bartolomé de Las Casas

Os Cristãos segundo Bartolomé de Las Casas
Tradução: Ana Burke
As Índias (América) foi descoberta no ano de 1492. No ano seguinte, um grande número de espanhóis foram pra lá com a intenção de colonizar a terra. Assim, 49 anos se passaram desde que os primeiros colonos penetraram na terra. Um deles afirmou a respeito da nova terra descoberta:  Em torno, e em todas as direções haviam muitas ilhas, algumas grandes, outras pequenas, e todas elas eram, como vimos com nossos próprios olhos, densamente povoadas com povos nativos chamados de índios. Esta grande ilha na qual aportamos é, talvez, o lugar mais densamente povoado do mundo. Deve haver perto de duzentas léguas de terra na ilha, e o litoral foi explorado por mais de dez mil léguas, e cada dia mais está sendo explorado. E toda a terra até agora descoberta é uma colméia de pessoas. É como se Deus tivesse lotado estas terras com a grande maioria da humanidade.
E de todo o universo infinito da humanidade, essas pessoas são as mais sinceras, as mais desprovidas de maldade e duplicidade, as mais obedientes e fiéis a seus senhores nativos e aos cristãos espanhóis a quem elas servem. Elas são, por natureza, as mais humildes, pacientes e pacíficas, sem ressentimentos, livres de confusões, nem excitáveis e nem briguentas. Essas pessoas são totalmente desprovidas de rancores, ódios, ou desejos de vingança entre todos os povos do mundo. E porque elas são tão fracas e complacentes, são menos capazes de suportar o trabalho pesado e logo, morrerem, não importando o mal. Os filhos de nobres, entre nós, trazidos para os prazeres ou refinamentos da vida, não são mais delicados do que são esses índios, mesmo entre aqueles que pertencem ao mais baixo nível de trabalhadores. Eles também são pessoas pobres, não só porque eles possuem pouco, mas porque eles não tem nenhum desejo de possuir bens materiais. Por esta razão, eles não são arrogantes, amargurados, ou gananciosos. Suas refeições são tais que o alimento dos Santos Padres no deserto dificilmente poderia ser mais parcimonioso, escasso, e pobres. Quanto ao seu vestuário, eles vivem geralmente nus, usando apenas uma espécie de tapa-sexo.. E quando eles cobrem seus ombros é com um pano quadrado não mais do que duas varas de tamanho. Eles não têm camas, mas dormem em uma espécie de esteira, ou então em uma espécie de rede suspensa. Elas são muito limpos em suas pessoas, mentes inteligentes, dóceis e abertos à doutrina, muito aptos a receber a nossa santa fé católica, sendo capazes de ser dotados de costumes virtuosos, e de se comportar de forma piedosa. E uma vez que eles começam a ouvir as notícias da Fé, eles são tão insistentes em saber mais, em tomar os sacramentos da Igreja e observação do culto divino, que, na verdade, os missionários que estão aqui precisam ser dotados por Deus com grande paciência, a fim de lidar com tal ânsia. Alguns dos espanhóis seculares que estiveram aqui por muitos anos dizem que a bondade dos índios é inegável e que se este povo talentoso podesse ser levado a conhecer o único e verdadeiro Deus, eles seriam as pessoas mais felizes do mundo.
No entanto, para este redil, para esta terra de paragens mansas, vieram alguns espanhóis que imediatamente se comportaram como vorazes bestas selvagens, lobos, tigres ou leões que haviam ficado sedentos por muitos dias. Nos últimos quarenta anos, até o presente momento, eles ainda estão agindo como bestas vorazes, matando, aterrorizando, afligindo, torturanda e destruindo os povos nativos, fazendo tudo isso com os mais estranhos e variados novos métodos de crueldade, nunca visto ou ouvido falar antes, e a um tal grau que a ilha de Hispaniola antes populosa (possuindo uma população estimada em mais de três milhões), tem agora uma população de apenas duzentas pessoas.
A ilha de Cuba, quase tão longa como a distância entre Valladolid e Roma, está agora quase completamente despovoada. San Juan [Porto Rico] e Jamaica são duas das maiores ilhas, mais produtivas e atraentes e ambas estão agora desertas e devastadas. No lado norte de Cuba e Hispaniola, vizinhas com mais de sessenta ilhas, incluindo as chamados Gigantes, ao lado de inúmeras outras ilhas, existem algumas pequenas e algumas grandes. A menos feliz delas é mais fértil e bela do que os jardins do rei de Sevilha. Elas têm as terras mais saudáveis ​​do mundo, onde vivem mais de quinhentas mil almas, pois elas agora estão desertas e habitadas por nenhum ser vivo.Todas as pessoas foram mortas ou morreram depois de ser levadas para o cativeiro na ilha de Hispaniola para serem vendidas como escravas. Quando os espanhóis viram que alguns deles tinham escapado, enviaram um navio para encontrá-los, e viajaram por três anos, entre as ilhas em busca daqueles quem tinham escapado de serem abatidos, ou ajudados por um bom cristão que os tinham ajudado a fugir, tendo pena deles e ganhando-os para Cristo, dos quais haviam onze pessoas, estas que eu vi.
Mais de trinta outras ilhas nas proximidades de San Juan estão em sua maior parte e, pela mesma razão despovoadas, e o país devastado. Nestas ilhas eu estimo há 2.100 léguas de terra que foram arruinadas e despovoadas, vazias de pessoas.
Quanto ao vasto continente, que é dez vezes maior do que toda a Espanha, incluindo até mesmo Aragão e Portugal, que contém mais terra do que a distância entre Sevilha e Jerusalém, ou mais de duas mil léguas, temos a certeza de que nossos espanhóis, com sua crueldade e atos abomináveis, devastaram a terra e exterminaram totalmente as pessoas racionais que as habitavam. Podemos estimar que, nos quarenta anos que se passaram, com as ações infernais dos cristãos, foram mortos injustamente mais de doze milhões de homens, mulheres e crianças. Na verdade, eu acredito que, sem tentar enganar a mim mesmo, que o número de mortos é mais de quinze milhões.
As formas mais comuns utilizadas, principalmente pelos espanhóis que se dizem cristãos e que têm ido lá para extirpar essas nações miseráveis ​​e limpar a terra é, injustamente, travando guerras cruéis e sangrentas. Então, quando eles mataram todos os que lutaram por suas vidas ou para escapar da tortura que teriam de suportar, ou seja, quando eles mataram todos os governantes nativos e homens jovens (desde que os espanhóis costumam poupar apenas as mulheres e crianças, que são submetidas à servidão mais dura e amarga já sofrida por homem ou animal), escravizam os sobreviventes. Com estes métodos infernais de tirania eles aviltaram e enfraqueceram um número incontável de nações indígenas.
O motivo para matar e destruir um número tão infinito de almas é que os cristãos têm como objetivo final,  a aquisição de ouro, e inchar-se com riquezas em um tempo muito breve e, assim, subir para um elevado estado desproporcional a seus méritos. Deve-se ter em mente que a sua insaciável ganância e ambição, a maior já vista no mundo, é a causa de suas vilanias. E também, nessa terra tão rica e feliz, os povos nativos são tão mansos e pacientes, tão fáceis de manejar, que nossos espanhóis não têm mais consideração por eles do que com os animais. E eu digo isso do meu próprio conhecimento dos atos que eu testemunhei.  E, assim, eles privaram os índios de suas vidas e almas, e os milhões que eu mencionei morreram sem a fé e sem o benefício dos sacramentos. Este é um fato bem conhecido e comprovado que mesmo os governadores tiranos, os próprios assassinos, conhecem e reconhecem. E nunca os índios cometeram qualquer ato contra os cristãos espanhóis. Pois no começo os índios consideravam os espanhóis como os anjos do céu. Só depois de os espanhóis usarem violência contra eles, matando, roubando, torturando, é que os índios se levantam contra eles ….
Coloni1
Ilustração de Theodore de Bry para a obra de Frei Bartolomeu de Las Casas (século XVI). Esse monge dominicano denunciou à monarquia espanhola as barbaridades cometidas pelos espanhóis contra os índios. Pouco ou nada adiantou.
Na Ilha Hispaniola foi onde os espanhóis desembarcaram pela primeira vez, como eu já disse. Aqui os cristãos perpetraram seus primeiros estragos e opressão contra os povos nativos. Esta foi a primeira terra no Novo Mundo a ser destruída e despovoada pelos cristãos, e aqui eles começaram a sujeição das mulheres e das crianças, levando-os para longe dos índios para usá-los e usá-los mal, comendo a comida que eles haviam adquirido com seu suor e trabalho. Os espanhóis não se contentaram com o que os índios podiam lhes dar de acordo com sua capacidade, que sempre foi muito pouco para satisfazer apetites enormes, pois um cristão come e consome em um dia uma quantidade de alimentos que seria suficiente para alimentar três casas habitadas por dez índios durante um mês. E eles cometeram outros atos de força e de violência e de opressão que fez os índios perceberem que estes homens não tinham vindo do céu. E alguns dos índios esconderam seus alimentos, enquanto outros esconderam suas esposas e filhos, e ainda outros, fugiram para as montanhas, para evitar as perseguições terríveis dos cristãos.
E os cristãos os atacaram com bofetadas e espancamentos, até que finalmente puseram as mãos sobre os nobres das aldeias. Em seguida, eles se comportaram com tal ousadia e descaramento que o governante mais poderoso das ilhas teve que ver sua própria mulher estuprada por um oficial cristão.
A partir de então os índios começaram a procurar maneiras de jogar os cristãos para fora de suas terras. Eles pegaram em armas, mas suas armas eram muito fracas e de pouca serventia na ofensa e muito menos na defesa. (Devido a isso, as guerras dos índios contra os espanhois não são mais do que jogos disputados por crianças.) E os cristãos, com seus cavalos e espadas e lanças começaram a realizar massacres e crueldades estranhas contra eles. Eles atacaram as cidades e não pouparam nem as crianças, nem os velhos, nem as mulheres, nem as mulheres grávidas ou no parto, não só esfaqueando eles e desmembrando-os, mas cortando-os em pedaços como se fossem ovelhas no matadouro. Eles fizeram apostas sobre quem, com um golpe de espada, poderia dividir um homem em dois ou poderia cortar-lhe a cabeça ou derramar suas entranhas com um único golpe. Eles tomaram as crianças de peito de suas mães, arrebatando-as pelas pernas e lançando-as de cabeça contra os rochedos ou pegando-as pelos braços e jogando-as nos rios, morrendo de rir e dizendo como os bebês cairam na água “, Fervam lá, prole do diabo! ” Outras crianças foram cortadas à espada, juntamente com suas mães e qualquer outra pessoa que passava nas proximidades. Eles fizeram algumas armações baixas de madeira, uma espécie de forca ampla em que os pés da vítima pendurada quase tocava o chão, amarravam as suas vítimas em lotes de treze anos, em memória de nosso Redentor e seus doze apóstolos, e em seguida, colocavam lenha em seus pés e, assim, os queimavam vivos. Para outros, punham palha ou os enrolavam em palha e então colocavam fogo. Com outros ainda, todos aqueles que queriam capturar vivos, eles cortaram suas mãos e pendurou-os em volta do pescoço da vítima, dizendo: “Vá agora, levar a mensagem”, ou seja, levar a notícia aos índios que fugiram para as montanhas. Os chefes e nobres tinham este tipo de morte: fizeram uma grade com barras colocadas em forquilhas, em seguida, punham as vítimas na grade e acendiam um fogo baixo, de modo que, pouco a pouco, os presos estavam gritando em desespero e tormento, para só depois morrer. Após as guerras e as mortes terem terminado, quando geralmente sobreviveram apenas alguns rapazes, algumas mulheres e algumas crianças, os sobreviventes foram distribuídos entre os cristãos para serem seus escravos. O repartimento ou distribuição foi feita de acordo com a posição e importância do cristão a quem os índios foram destinados, a um deles foram dados trinta, quarenta a outro, ainda outro, uma ou duas centenas, e além disso o posto que o cristão ocupava também era considerado. O pretexto era que esses índios foram alocados para serem instruídos na fé cristã. Como se os cristãos que eram, regra geral, cruéis, gananciosos e crueis podessem ser cuidadores de almas! E o cuidado que tiveram foi o de enviar os homens para as minas para procurar ouro, que é um trabalho intolerável, e enviar às mulheres aos campos das grandes fazendas para trabalhar na enxada, trabalho mais adequado para homens fortes.  O leite nos seios das mulheres com crianças secou e, assim, em pouco tempo as crianças morreram. E uma vez que homens e mulheres foram separados, não poderiam ter relações conjugais. E os homens morriam nas minas e as mulheres nas fazendas das mesmas causas, cansaço e fome. E assim foi despovoada aquela ilha que havia sido densamente povoada.
Fonte: Bartolemé de Las Casas, breve relato sobre a devastação das Índias . (1542)
http://anaburke.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, será muito legal...meu muito obrigado!! Volte Sempre!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
▲ Topo